Meu perfil
BRASIL, Sudeste, VOTUPORANGA, VILA MARIN, Homem, de 36 a 45 anos, Zulu, Azerbaijani, Tabacaria, Animais, fazer a cobra fumar
MSN -




Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Facebook do Lamparina
 Blog do Lamparina (antigo)
 Twitter do Prefeito Marão Filho
 Twitter do Lamparina
 Dcionário Priberam da Língua Portuguesa
 F. Pepito Verbos
 T.C.E
 T.R.E-SP
 T.S.E
 Câmara Municipal de Votuporanga
 Prefeitura Municipal de Votuporanga
 SAEV
 UNIFEV
 Portal Transparência Brasil
 Blog do Azenha Vi o Mundo
 Carta Capital
 Jornal A Cidade
 Jornal Diário de Votuporanga
 Conversa Afiada do PHA
 Blog do Eduardo Guimarães
 Blog Escrevinhador do Rodrigo Vianna
 Blog do Professor Hariprado
 Blog do Josias de Souza
 Blog do Luciano Viana
 Observatório da Imprensa
 Óleo do Diabo (Gonzum)
 Blog do Paulo Cosmo
 Blog do Ricardo Fujiro
 Portal Vermelho org.
 Jornal do Poeta Gibim
 Blog do Miro
 FBI
 Blog da Dilma
 Terra Goyazes
 Criador de Saci
 Amigos do Presidente Lula
 Blog da Irmã Cleycianne
 Blog do Celito Garcia
 Blog do Manuel Ruiz
 Receita Federal (consulta de CNPJ)
 Blog do Virgulino
 Refluxo News
 Pedagiômetro
 Votulandia
 Blog do Cardosinho
 Blog do Juliano Matos
 DOMíNIO PÚBLICO
 trezentos
 Blog do vereador Osvaldo Carvalho
 Blog do Fofoqueiro
 Uma vida sobre duas rodas
 Blog do vereador Meidão
 jornal O Jornal
 Votunews
 Diário Web
 Receita - Consulta CGC
 Consulta Sócio




BLOG DO ROBERTO LAMPARINA
 


DIA DE FESTA

 

           Com a inauguração da UPA - 24 h (Unidade de Pronto Atendimento) e do SAMU 192 (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência),  que se deu hoje pela manhã numa tenda montada pelo cerimonial da prefeitura, na também nova praça denominada Alice Vieira da Conceição, que foi construída defronte das novas unidades; à população espera pelas melhorias nestes serviços que estavam sendo prestados apenas pelo pronto-socorro da Santa Casa e no mini-hospital do Pozzobon  (serviço emergencial de pronto-socorro) e bem precariamente pela Promoção Social (serviço de ambulâncias), respectivamente. O serviço de resgate do Corpo de Bombeiros continuará auxiliando o SAMU.

          Com  instalações novas e modernas, equipamentos apropriados e, uma equipe de profissionais treinados e devidamente motivados, o sucesso deste atendimento e dos serviços prestados deverá ter mesmo muita melhora na qualidade, afinal, o poder público investiu adequadamente, devendo à população sentir de imediato os resultados deste investimento público de grande importância para Votuporanga e toda nossa região.

          A inauguração destas importantes obras foi bastante prestigiada pelos diversos seguimentos da sociedade em geral. Muitos populares e autoridades  compareceram para conhecer as instalações e prestigiar o evento, inclusive muitos prefeitos da região, como Alberto César de Caires, de Álvares Florence; Gina Mara dos Santos, de Parisi; Antonio Edivaldo Papini, de Cosmorama; entre outros prefeitos regionais que se fizeram presentes.

          O deputado federal João Paulo Cunha (PT), autor da emenda parlamentar no valor de 1 milhão para à viabilização da UPA, não pôde estar presente ao evento, em virtude de outros compromissos, mas foi representado pelo seu assessor Carlos Augusto Bellintani, que é de Dobrada, região de Matão. O Jura também se fez presente na inauguração, ele que articulou também à viabilização destes recursos junto ao deputado João P. Cunha.

          O SAMU é uma velha reivindicação do vereador Meidão, que depois da posse do prefeito Marão Filho, em esforço conjunto com o deputado Federal João Dado, possibilitou esta viabilização junto ao governo federal.

          Entre as autoridades que discursaram, notadamente o discurso sempre conciliador do prefeito Marão Filho, que agradeceu os recursos, à viabilização da obra e salientou a importância que ela terá na vida da nossa população. Enalteceu a qualidade da equipe treinada para operar estes serviços e até estava trajando o uniforme da equipe do SAMU, assim como alguns membros da administração da Santa Casa.

          Na vez do deputado estadual Carlão Pignatari assumir o microfone, notou-se um pavor entre os presentes, pois na inauguração da ETE, para menosprezar à participação do governo federal na obra, ele passou como um trator por cima da atuação dos ex-prefeitos que estavam lá presentes, quando disse que faltou vontade política para se fazer à obra da ETE, pois os recursos não eram oriundos do governo federal, mas sim de financiamentos junto à CEF e qualquer um dos seus antecessores poderiam ter executado à obra; o que  causou um desconforto total entre os ex-prefeitos. Esperava-se novamente outra “tratorada” similar, mas desta vez às máquinas de demolição do deputado estadual tucano não foram acionadas e ele também adotou um discurso ameno e conciliador, o que novamente causou estranheza aos presentes, tão acostumados ao estilo “tratorzão” do deputado. Alguns presentes especularam o milagre que, supostamente, estaria causando tamanha sobriedade ao deputado, ou até talvez o receituário do tarja preta que estava operando aquele milagre!!!

          Na vez do deputado Federal João Dado, seguiu-se o mesmo tom conciliador dos seus antecessores, mas aos olhos e ouvidos dos bons observadores, dois pesos e duas medidas foram notados nas suas considerações. Ao referir-se à importância do SAMU nos atendimentos e resgates emergenciais, destacou que 5 minutos fazem muita diferença em danos que poderiam ser determinantes no sucesso de atendimentos cardíacos e cerebrais, pedindo à confirmação do Dr. Joaquim Figueira da Costa às suas considerações, o que o velho médico prontamente avalizou.

          Aos ouvidos deste blogueiro, as palavras do deputado Dado, avalizadas pelo Dr. Joaquim, desmontam totalmente à tese da irreversibilidade do quadro clínico no caso da morte do menor Breno, ocorrida depois de ele esperar por mais de 20 minutos pelo atendimento médico dentro do pronto-socorro da Santa Casa, atendimento este que só foi possível depois de um estranho se apiedar com o drama da família e pagar uma consulta particular para que o menor pudesse receber o atendimento médico devido. Infelizmente para esta criança e para esta família, as palavras do deputado João Dado, devidamente avalizadas pelo Dr. Joaquim são um fato e o tempo deste socorro adequado foi determinante para esta tragédia ocorrida. A não ser que  existam dois pesos e duas medidas???

           Para este humilde blogeuiro, o blá blá blá das autoridades e dos políticos nada significa. Mas, ao final da festa inaugural, entoados pelos gritos motivacionais e pelas preces do corpo funcional do SAMU em uma corrente de oração, saímos de lá contagiados e com a certeza de que eles estão preparados e  motivados à cumprirem com suas obrigações. A nós, cabe acreditarmos que diante das boas condições disponíveis, teremos realmente agora um bom serviço público emergencial de saúde.

         


 

        



Escrito por LAMPARINA às 19h43
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 18h03
[] [envie esta mensagem
] []





É BRINCADEIRA!!!

        

          Eu estive em Rio Preto hoje pela manhã e quem passa no caminho nota uma curiosidade no início das obras da Euclides da Cunha. É que as máquinas estão remexendo as áreas que fazem parte da terraplanagem em alguns trechos, mais não podem derrubar as árvores que estão no caminho, pois ainda não possuem licença ambiental para isso.

          A pressão política exercida pelos políticos locais e regionais fez efeito e, provocou o início das obras à qualquer custo, mas o fato é que as empreiteiras não podem trabalhar e estão nos trechos só fingindo que estão trabalhando, revirando aqui e ali.  Nada que o acréscimo do teto máximo de 25% nos termos aditivos dos contratos, não compensem ao final.

          Mas, à polícia militar rodoviária não está de brincadeira e nem de fingimento, está de campana no trecho com seus radares à pleno vapor, faturando horrores para o patrão com a nova diminuição dos limites de velocidade na pista. Hoje pela manhã, tinha uma viatura com radar instalado antes do Posto VM, no sentido Votuporanga/Mirassol e outra lá debaixo da farinha-seca do abacaxi, no sentido contrário, antes do Posto Itamaraty.

           Os desatentos motoristas que se cuidem, pois a turma do picolé não é de brincadeira quanto o assunto é meter a mão no nosso bolso!!!

         

 



Escrito por LAMPARINA às 21h32
[] [envie esta mensagem
] []





MINHA CASA MINHA VIDA

 

         Você já realizou o sonho da casa própria???  O povo de Votuporanga está em polvorosa com a iminência da entrega das 210 casas populares que estão sendo finalizadas pelo programa municipal “Habitação para Todos”, em parceira com o governo federal, pelo programa de financiamento de moradias  “Minha Casa Minha Vida”. Estas 210 casas é o primeiro lote das 600 contratadas em 29/05/2009.

          Numa cidade com faixa salarial tão baixa, ser contemplado com uma casa em condições assim, economicamente tão acessível, é o sonho de boa parte da população, que está muito esperançosa e fazendo a contagem regressiva para a chegada do dia do sorteio público de contemplação.

          Pelo cadastro de inscritos feito pelo setor de habitação municipal e noticiado amplamente pela mídia, Votuporanga apresentou o seguinte déficit habitacional: no Distrito de Simonsem - 127. Em Votuporanga - idosos 728; funcionários públicos municipais 458; deficientes físicos 239; policial militar 93; outros (população em geral) 9.192. A somatória geral deste déficit era de 10.837 casas em 30/03/2009, quando este cadastro foi finalizado. Em torno de 90% deste déficit se enquadrou na faixa de renda mensal de 1 a 3 salários mínimos.

          A grande dúvida da população é quanto ao critério que será adotado para o sorteio, pois estas regras não estão chegando com a devida claridade para esta população de inscritos que aguardam ansiosamente esta casa própria. Qual será à porcentagem destinada para cada grupo? Haverá preferências para deficientes, idosos, ou os que residem atualmente em áreas de risco? Ninguém sabe de nada...

          O ex- diretor do Departamento Municipal de Habitação, Milton Francisco de Souza, procurado por esta reportagem, disse que tinha projeto concreto para fazer esta distribuição, atendendo devidamente os percentuais de inscritos e que este projeto deveria ser legalmente estabelecido por uma lei que seria criada, mas desde o seu desligamento da pasta estes planos não se consolidaram.

          Sendo assim, esta legião de inscritos se encontra totalmente desnorteada de informações de como se dará este sorteio. E a boataria faz seus estragos, pois rumores se espalham em ditas promessas sacramentadas pela politicalha (de todos os escalões políticos e administrativos), de que alguns teriam a tão sonhada casa e agora os desconfiados fazem fila nos corredores do Paço, cobrando o cumprimento das promessas. Informações obtidas junto ao funcionalismo municipal, dão conta de que raros são os dias em que populares não se exaltam pelos corredores, na busca pela tão sonhada “minha casa minha vida”.

          O fato é que são muitas as necessidades e poucas serão as casas. Sem um critério devidamente claro de distribuição, um conflito então se vislumbra, e este conflito está sendo causado pela ingerência dos responsáveis pelo setor de habitação municipal em não determinar estes critérios claros de contemplação, ao público.

          Alguns críticos deste humilde blogueiro me acusam de ter assumido o posto de gerente do caos na cidade, porém é pela falta de organização da administração pública que estes critérios ainda não foram claramente definidos. Numa estrutura administrativa que agrega 01 prefeito e seu vice, 18 secretarias de governo (podendo virar 19 em breve) e mais 10 vereadores para aprovarem às leis (se for da vontade do Executivo), além dos tradicionais encostados de luxo que povoam  à prefeitura, parece que esta inércia demonstrada revela à existência de muitos colaboradores para este caos.

          Não podemos permitir jamais que qualquer outro critério obscuro possa povoar esta distribuição, isto precisa ficar bem evidenciado e precisará ter acompanhamento de perto do Ministério Público.

          O blog tem recebido desabafos e comentários de populares que dizem ter à promessa  de políticos e funcionários públicos municipais, de que serão contemplados com a casa. Por isso, sem dar voz às intrigas e fofocas, melhor será o acompanhamento de perto do ministério Público, para que este sorteio seja marcado pela transparência total, inclusive com à acareação das fichas de inscrição dos contemplados, conferindo a legitimidade desta inscrição e se esta respeitou o prazo de inscrição.

          Estamos no aguardo das providências para que se determine estas regras, pois aquele pessoal que fez fila ao sol escaldante da segunda cidade mais quente do estado para fazer inscrição e agora aguarda ansiosamente a oportunidade de contemplação da tão sonhada casa própria, não merece este descaso.

         

         

         

 



Escrito por LAMPARINA às 00h31
[] [envie esta mensagem
] []





BRAVO POETA!!!

Veja a postagem completa no Blog do meu amigo Poeta Gibim no: http://www.poetagibim.blogspot.com/

           Esta postagem corajosa do meu amigo Poeta Gibim, postada lá no seu blog, reflete bem o período que estamos vivendo.

           É um fato que a carga tributária é muito alta, assim também como é um fato que poucos são os consumidores que exigem emissão da nota fiscal no ato da compra, ficando assim o comerciante liberado para emitir mensalmente o mínimo possível de notas fiscais.

          Acabamos nós, o consumidor final, arcando com toda a carga tributária, enquanto o setor primário e intermediário esquiva-se de parte dela. O industrial sonega o que lhe é possível, mas não repassa o desconto para a venda do seu produto industrializado. O comerciante age da mesma maneira, sonegando o máximo, e também não repassa o desconto referente à tributação que ele deixa de recolher, para o seu cliente. Nós não temos para quem repassar esta tributação, pois está incluída no preço final dos produtos que consumimos e então só nos resta pagar.

           Pior ainda, é que não temos para quem reclamar. O industrial tem o respaldo da sua federação que organiza manifestos e protestos contra a alta tributação. O comerciante, idem. A população paga quietinha e não se mobiliza para fazer uma campanha de esclarecimento público para que os consumidores exijam a emissão de nota fiscal nas suas compras, já que a diminuição desta carga tributária parece um sonho impossível e pode nem chegar até o consumidor final.

           Alguém aí notou alguma diminuição nos preços por conta do fim da CPMF???

           Depois ainda os empresários dizem que eles pagam impostos... Nós pagamos impostos. Muitos empresários - não estou generalizando senão a turma da beca preta cai de pau em mim -, sonegam fortunas em impostos.

           Beleza de postagem amigo Poeta!!!

           Sugeriria até aí para os nossos bravos edis, que ficam distribuindo honraria a torto e a direita para picaretas, que façam uma justa homenagem para o nosso amigo Poeta Gibim e pelo menos lhe façam uma congratulação na tribuna pela sua exemplar atitude, que certamente deveria ser seguida por todos nós!!!

           

 

 

 

 



Escrito por LAMPARINA às 01h32
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA

          O meu mais novo projeto editorial já está em andamento...

          Trata-se da revista em quadrinhos, para maiores, AS AVENTURAS DA TURMA DO CHUPIM $ CHUPÃO.

          Uma saga que pretende mostrar os descaminhos e as armações da Turma para dominar o mundo. Estou ainda em fase de construir à apresentação dos personagens e da trama. Será muito legal!!!

          Espero que gostem e que palpitem na construção...

          Não sei quando terminarei esta primeira edição, pois dependo de tempo para a criação da trama, mas já está iniciada e o caminho mais curto para se chegar ao final de uma caminhada é iniciando-a. Então, mãos à obra!!!

           Confiram esta apresentação de um novo personagem...

 

 



Escrito por LAMPARINA às 15h30
[] [envie esta mensagem
] []





O DE POUCA LUZ

...eu publiquei a entrevista legitimamente concedida pela mãe do menino Breno, pois a outra parte já está sendo defendida pelas ditas representações sociais da cidade, como temos visto nas manifestações públicas de apoio explícito veiculadas na mídia local. Além do mais, o corpo clínico da Santa Casa levou quase uma semana para se manifestar sobre o caso e quando o fez, deu uma lamentável coletiva de imprensa, onde não foi permitido fazer perguntas aos representantes. Logo, vê-se uma má vontade em externar esclarecimentos sobre o caso.

Quanto à coloração do jornal, quem conhece a teoria do copo de água pela metade, sabe que muitos dirão que ele está meio cheio e outros dirão que ele está meio vazio. Portanto, esta coloração é um termo muito em desuso.

Gostaria que o nosso leitor Eduardo respondesse: como que um jornal mensal (e olhe lá), poderia provocar tanto clamor assim, diante de dois jornais e uma tevê que se revezam diariamente na arte de criar ilusões à soldo dos poderosos locais? 

Todos temos o direito de termos opiniões livres, inclusive o senhor e eu. É prerrogativa  democrática. 

... uso das minhas prerrogativas de liberdade novamente para discordar completamente do senhor. O vereador Meidão até pode ter se exaltado na tribuna e dito coisas das quais tenha se arrependido, mas na verdade ele chamou à atenção para um caso, que se não fosse por àquela ação, passaria despercebido mais uma vez. Eu, pessoalmente, não concordo com a forma  de fazer política do Meidão, mas acho que eles (todos os vereadores) deveriam cobrar mais da Santa Casa, pois assinam repasses de verbas dos cofres municipais para a conta da Santa Casa e, não cobram veementemente providências e soluções para os problemas...

...Quanto ao senhor avaliar a comparação como esdrúxula, talvez até o senhor tenha se equivocado na interpretação do termo, pois a comparação realmente foi esdrúxula, tamanha à incoerência de uma administração que tem tido tantas derrotas e ainda assim quer permanecer no comando da entidade. Nos vem então à pergunta de imediato – Por que será??? É no mínimo estranho... Talvez o senhor não ande pelas ruas e não saiba, mas esta administração está muito em baixa com o povo.

Esta afirmação de que o cargo de provedor não é remunerado, é algo muito complexo, pois ele pode não ter salário formal, sendo possível alguns ganhos indiretos e informais. Remunerações, existem várias formas de serem auferidas com o potencial de compra da Santa Casa e o gerenciamento desses recursos. Não estou afirmando que ele ou qualquer outro faça ou tenha feito uso desses métodos, pois não durmo na mesma cama que eles. Só digo e afirmo que isto é bastante possível...  

Dentre todas as colocações infelizes, este último parágrafo se mostrou campeão, pois revelou toda a fragilidade de conhecimentos econômicos e históricos do crítico, que expressa uma sugestão baseada em uma afirmação que não possui embasamento verídico na cadeia produtiva em lugar algum no mundo e nem em tempo algum na história da humanidade. Desde os remotos tempos da humanidade, o que  produz riquezas é o trabalho e dele advém tudo, não de uma classe social ou de um seguimento isolado. Os nossos pequenos empresários, industriais e trabalhadores em geral, diante desta afirmação do senhor Eduardo, melhor arrumar um penhasco auspicioso para se atirarem, pois se os afortunados da cidade algum dia resolverem mudar de cidade, morreremos todos de fome!!!

Definitivamente o povo de Votuporanga gosta mesmo de ver figurinhas...

Quanto aos questionamentos de foro íntimo, dissertei razoavelmente bem o meu histórico pessoal ao inquisidor.

Espero que ele se dê por satisfeito, mas se não estiver, estou sempre disposto à esclarecer qualquer dúvida.

 

Ps: Na Santa Casa, ninguém tira recursos do bolso para cobrir à conta do hospital. Eles lidam com verbas públicas dos governos federal, estadual e municipal. Além das doações, arrecadações proveniente das promoções de festas, eventos, etc..., ainda tem à tributação na nossa conta de água, revertida para o hospital. Se esta informação for improcedente, aguardo humildemente pela réplica esclarecedora.

Quanto à minha candidatura para provedor daqui a dois anos, eu faria com todo o empenho e a determinação com que faço este “jornal independente”, de forma voluntária e gratuita. Mas, acredito que eu estaria fazendo mal para à instituição, pois se eu convocar e promover um jantar ou evento com preço simbólico de R$ 50,00 ninguém prestigiará o evento, mesmo sendo benevolente. Mas, se qualquer desses bam bam bam badalado vender o mesmo evento por R$ 1.000,00, terá uma lista de espera para os interessados, pois o ser humano ainda se apega nesses conceitos que o pobre do nosso leitor Eduardo se apega, infelizmente. Mas, se algum desses bam bam bam resolver criar um conselho de populares com voz na administração da Santa Casa, tô dentro!!!

A Santa Casa de Votuporanga é exemplo de entidade séria e que está acima do histórico dos seus administradores recentes, que tentam se colocar na vanguarda para exposição na vitrine política. Para que ela permaneça como exemplo de entidade séria e comprometida com o ser humano em primeiro lugar, às críticas são imprescindíveis para o bom andamento da instituição.

O problema da elite votuporanguense é que não sabem lidar com à crítica. Sempre tiveram todos aos seus pés!!!

 

O Lamparina

 



Escrito por LAMPARINA às 16h52
[] [envie esta mensagem
] []





O ILUMINADO

 

           Desde a primeira vez que um artigo assinado por mim foi publicado em um jornal, eu venho me preparando para lidar com à crítica, pois quando você externa pensamentos está sujeito aos aplausos daqueles que compartilham da mesma opinião e às críticas dos que dela não compartilham. Então, lido melhor com às críticas do que com os aplausos, apesar de que, recebo mais aplausos do que críticas. Não gosto, pois prefiro mesmo debater com o contraditório, de convencer no debate de idéias e de fatos.

          Já recebi todo tipo de críticas, desde às inteligentes e bem embasadas, até as mais sem-noção e ofensivas possíveis.

          Sábado pela manhã, tive a grata surpresa de receber um telefonema com aplauso valioso, vindo de um membro de uma pioneira e tradicional família de Votuporanga, o que me deixa honrado e envaidecido pelo fato.

          Recebo muitos pedidos de envio do jornal em formato digital e, distribuo e tento ser solícito na medida do possível. A tiragem impressa é de 2.000 exemplares, mas eu acho que distribuo mais uns 2.000 em formato digital. Se os destinatários abrem os anexos e lêem, não sei, mas eu os envio.

          Não recebo pagamento pela edição do jornal, que é totalmente gratuito, mantido pelas doações de abnegados que querem ter o direito à liberdade de pensamentos e de opiniões diversificadas. Até quando??? Não sabemos, talvez esta edição de número 9 seja a última, o que já é um marco histórico, pois entre os jornais alternativos de Votuporanga, o único que atingiu mais edições foi o VOTU’s, dirigido pelo Jornalista José Carlos Pontes, o ex- Zé Galinha, atual Zé do Saci. Todas as edições do Votu’s estão disponíveis num arquivo na biblioteca municipal.

          Para se contrapor aos elogios e as manifestações de apreço recebidas no sábado, no domingo eu recebi esta crítica de um sujeito que se apresenta como Eduardo Martinelli. Acho que é um e-mail fake, mas tive a consideração de responder aos seus questionamentos, assim como faço com todos os que se reportam respeitosamente. A resposta em privado foi longa e então, dissecarei o texto com uma breve e resumido histórico das considerações mais importantes.   

 

Prezado senhor Roberto Martins, o Lamparina 

Lamento que o senhor considere a maioria os seus leitores como ignorantes, pois só entendem as figurinhas da turma do Chupim. Realmente lamentável! 

No seu tablóide existem diversas referências à mídia local, tratando-a como serviçal, prestadora de favores à classe poderosa e coloca o seu jornal como

“independente”. Que independência é essa e que bom jornalismo é esse que só reproduz a versão de uma das partes? Na página 3 há uma extensa entrevista com a mãe do menino Bruno, apresentada como mártir. E a versão do hospital, não conta? Claramente tendenciosa a sua entrevista, pois visa jogar a opinião pública contra uma entidade filantrópica sexagenária. Seja  imparcial, faça o contraponto. Assim, se a imprensa local é tratada pejorativamente como “assessoria de imprensa”, então poderíamos dizer que o seu jornal é a “imprensa marrom”?

Na coluna “Molhando a carimbeira....”, já que o senhor teceu diversos comentários sobre a Santa Casa, dos quais, no meu entendimento,  a maioria deles é leviana e tendenciosa, permita-me a controvérsia:

Em caracter itálico, reproduzo a sua opinião e a seguir, a minha: 

“Gostando ou não, os ofendidos, o vereador cumpriu o seu papel de defender os interesses públicos..(caso Bruno).”

“Méritos desta ação corajosa ao vereador Meidão, pois se não fossem os seus rugidos, provavelmente o caso do menino Bruno também passaria desapercebido e a propaganda incessante do hospital-modelo continuaria implacavelmente colocada em prática.” 

Primeiro, é claro que os ofendidos não gostaram de ser chamados de “assassinos”, ainda mais que perseveram todos os dias para salvar vidas.

 O vereador não cumpriu o seu papel. Foi demagogo. Usou a tribuna irresponsavelmente, querendo criar uma “luta de classes” e conquistar simpatias e votos. Se realmente estivesse interessado em defender os interesses públicos, provocaria uma investigação isenta sobre o fatídico caso. Assim, o senhor, como paladino da verdade, deveria usar o seu jornal de modo mais imparcial, não acha? 

“Ainda dentro do assunto, ser provedor da Santa Casa é um cargo de muita segurança no emprego....Normalmente, então, se antecipa e pede demissão do cargo, mas parece que na Santa Casa esta lei de mercado do futebol não se aplica, pois o provedor Luis Fernando Góes Liévana já declarou....” Pelo tom auspicioso do anúncio, até parece que “eles” estão nos prestando um grande favor. 

Comparação exdrúxula! Comparar um técnico de futebol (cargo normalmente regiamente remunerado e cujo titular quase sempre que tem participação decisiva nos resultados do time) com o Provedor da Santa Casa é querer subestimar a capacidade de discernimento do seu público leitor. Qual a responsabilidade direta do provedor no caso do menino Bruno? Mesmo que esse fosse um “gol contra”, em razão do desenlace, o que dizer de tantos “gols a favor” que acontecem todos os dias, com o salvamento de inúmeras vidas e a minoração do sofrimento de tantas outras? Então, diante de um único caso, deveria o provedor “pedir o boné?” E ainda por cima o senhor insinuar que o provedor permanece no cargo para “prestar um favor?”  Aí o senhor acertou: ele realmente está prestando um favor, pois é um abnegado, desinteressado e que coloca o seu patrimônio em risco quando avaliza os empréstimos do Hospital. Porque o senhor não cobiça aquele cargo? Há poucos dias houve uma eleição; pergunto-lhe: apareceu algum candidato ao cargo? Não. Então, anote na sua agenda: dentro de exatamente dois anos, haverá outra eleição. Já que o senhor considera um cargo de “muita segurança no emprego” (emprego? sem remuneração?), monte a sua chapa e candidate-se.

Terminando, sugiro: pare de criticar a “classe poderosa da cidade, os donos da cidade etc”. É essa classe que produz riquezas, promove investimentos e gera empregos. Aliás, pergunto-lhe: quantos empregos o senhor promoveu?

Plantou alguma árvore? Arriscou o seu capital em algo produtivo? 

Saudações do

 

Iluminado.

 



Escrito por LAMPARINA às 16h50
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]