Meu perfil
BRASIL, Sudeste, VOTUPORANGA, VILA MARIN, Homem, de 36 a 45 anos, Zulu, Azerbaijani, Tabacaria, Animais, fazer a cobra fumar
MSN -




Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Facebook do Lamparina
 Blog do Lamparina (antigo)
 Twitter do Prefeito Marão Filho
 Twitter do Lamparina
 Dcionário Priberam da Língua Portuguesa
 F. Pepito Verbos
 T.C.E
 T.R.E-SP
 T.S.E
 Câmara Municipal de Votuporanga
 Prefeitura Municipal de Votuporanga
 SAEV
 UNIFEV
 Portal Transparência Brasil
 Blog do Azenha Vi o Mundo
 Carta Capital
 Jornal A Cidade
 Jornal Diário de Votuporanga
 Conversa Afiada do PHA
 Blog do Eduardo Guimarães
 Blog Escrevinhador do Rodrigo Vianna
 Blog do Professor Hariprado
 Blog do Josias de Souza
 Blog do Luciano Viana
 Observatório da Imprensa
 Óleo do Diabo (Gonzum)
 Blog do Paulo Cosmo
 Blog do Ricardo Fujiro
 Portal Vermelho org.
 Jornal do Poeta Gibim
 Blog do Miro
 FBI
 Blog da Dilma
 Terra Goyazes
 Criador de Saci
 Amigos do Presidente Lula
 Blog da Irmã Cleycianne
 Blog do Celito Garcia
 Blog do Manuel Ruiz
 Receita Federal (consulta de CNPJ)
 Blog do Virgulino
 Refluxo News
 Pedagiômetro
 Votulandia
 Blog do Cardosinho
 Blog do Juliano Matos
 DOMíNIO PÚBLICO
 trezentos
 Blog do vereador Osvaldo Carvalho
 Blog do Fofoqueiro
 Uma vida sobre duas rodas
 Blog do vereador Meidão
 jornal O Jornal
 Votunews
 Diário Web
 Receita - Consulta CGC




BLOG DO ROBERTO LAMPARINA
 


OVO DE 4 GEMAS

       Depois de muito tempo sem poder estar presente às sessões legislativas, por lá estive hoje para mais uma eletrizante sessão da tarde (já terminada bem entrada na noite) regado ao bom café disponível aos frequentadores da Casa do Povo. Lamentável informar que o roteiro continua igual, haja vista que tudo acaba ficando um pouco previsível com uma Casa do Povo onde este não se faz representado e nem frequenta assiduamente para se fazer notado e às suas necessidades represente o ideal majoritário. Não tendo a contraposição de forças e de ideias que se conflitem, o parlamento - local onde o ideal democrático dos gregos representava a liberdade de exposição das ideias -, vira apenas um picadeiro com artistas e suas apresentações, não um parlatório com a missão de representantes representarem a vontade dos seus representados.

          Nesta linha, o espetáculo teve vários altos e baixos e com certeza a centelha dessa inconstância se dá pela proximidade do calendário eleitoral, tendo cada um que abrir sua caixa de ferramentas e mostrar a utilidade de cada uma delas.

          Antes de me iniciar na pauta em si, gostaria de mais uma vez externar minhas felicitações ao nobre edil Osmair Ferrari pela inciativa de oficiar o presidente da Casa pedindo sua dispensa do uso do novo aparelho de telefonia celular e da poltrona nova ao qual teria direito como membro do Poder. Alegou no ofício que tais acessórios (os velhos) que estão em uso atendem as necessidades e estão em bom estado de conservação, não havendo a necessidade de novos. (queria dizer que não sou contrário à medida de se comprar novos e modernos, mas que talvez o momento apenas não seja oportuno, já que esforços estão sendo convocados para o enfrentamento de uma possível crise que se espalha por aí, até o momento apenas nas convocações especulativas, pois a prática tem nos mostrado exatamente o contrário)

          No âmbito da administração das ditas ferramentas, um entrevero anunciado se prolongou nos discursos dirigidos do nobre edil Osvaldo Carvalho endereçado ao também nobre Matheus Rodeiro e depois veio à réplica do Matheus, que ao seu estilo, todo desconexo e atrapalhado, tentou não passar recibo de atingido. Mas o acertou em cheio, e todos nós sabemos que o roteiro da contenda contempla a rasteira eleitoral sofrida pelo Osvaldo em 2012, dá qual o Matheus se permitiu tornar parte atuante da manobra ao lado do seu então mentor, o deputado Itamar Borges. (como meu velho pai atestava, camelo cheira camelo e não um campo de lírios. Sendo assim, melhor o nobre edil Osvaldo se atentar, pois o agora parceiro Itamar é o velho camelo de 2012, com aquele sorriso adjacente de quem quer parecer um campo de lírios, mas continua e continuará sendo sempre um camelo. Outro lance da disputa foi que o Matheus aproveitou o belíssimo slogan que tem sido pregado pelo Osvaldo – “Votuporanga precisa voltar para as mãos do povo” -, para alfinetá-lo com uma nova versão, a de que a Cooperativa precisa voltar para as mãos dos cooperados. (segundo conversas que ouvi pelos bastidores, parece que a tréplica do Osvaldo virá na próxima sessão, também seguindo o mesmo roteiro, mas noutra lógica, a de que o carnaval de Votuporanga também precisa voltar a ser uma festa popular e não esta reserva de mercado em proveito de um grupo que aí está vigendo. Esta briga promete muito lances e pra nossa sorte, está só começando)

           Mas o ponto mais polêmico da noite viria de uma manobra dos articuladores da vontade do Executivo (colhendo assinaturas para que o projeto fosse votado com urgência) para que fosse votado na noite um projeto de lei que tornaria algumas áreas institucionais do município em áreas dominiais (área institucional = área pública destinada à finalidade específica, como escola, creche etc, não podendo ser vendida. Área dominial = área pública não afetada a uso específico, podendo ter autorização para que o patrimônio público seja desfeito de acordo com o interesse público). A defesa do projeto ficou por conta inicialmente do nobre Silvão, que também ao seu estilo, todo atrapalhado e falastrão, acabou por complicar ainda mais um projeto que já seria muito difícil de ser explicado ao entendimento do populacho, pois o mesmo, nesta inicial, é tão somente a transformação desse status para que intenções futuras possam ser possibilitadas. O nobre fogo-amigo do líder de governo Silvão acabou acertando em cheio o Executivo ao afirmar que estas áreas seriam vendidas para a administração fazer caixa para tocar as obras paradas pela falta de recursos que deixaram de chegar pelo governo do PT, falácia esta do Silvão que precisaria depois de apelar para a ajuda dos universitários, neste caso, do seu colega nobre Douglas Lisboa, que tentou consertar a bufolice do Silvão dizendo que não necessariamente estas áreas serão vendidas, mas que caso tivesse que ser, seria por via de outro projeto em que a Casa autorizasse esta possível venda.

          O nobre vereador Jura pegou a deixa da escorregadela bufônica do colega falastrão Silvão e, depois da confecção de um grande cartaz de protesto feito ali às pressas em seu gabinete que trazia os termos: Não à venda Minha Casa Minha Vida (querendo dizer que as tais áreas seriam mais bem aproveitadas na construção de casas ou condomínios populares do projeto habitacional empreendidos pelo seu partido, o PT) e foi nesta lógica que o Jura fez grande defesa da contrariedade deste projeto e com seus argumentos válidos, conseguiu mais 3 votos contrários dos colegas Osvaldo Carvalho, Osmair Ferrari e Pedro Beneduzzi. (não foi suficiente para deter a sanha do Executivo em passar patrimônio público nos cobres, mas já sinaliza que na hora de passar a escritura, os argumentos terão que ser mais convincentes do que atordoados discursos de trapalhões do picadeiro a serviço do Executivo)

           Depois disso foi só festival de acusações mútuas entre o atabalhoado Silvão e o Jura, cada qual puxando a sardinha para o seu lado. (eu fiquei ali me colocando na posição do Jura e cheguei à conclusão de que a sobriedade nunca conseguirá fazer frente à embriaguez, pois a sobriedade busca a lógica da razão e a embriaguez só busca a última dose que entorpece o ébrio na sua ânsia de se manter como  o proprietário da razão. O sóbrio busca um motivo para a razão e o ébrio quer ela a todo e qualquer custo.  Fiquei com dó do Jura por ter tido uma postura sóbria no evento)

          No mais, também parabenizar o nobre Douglas Lisboa por ter tentado jogar aquela água benta para amenizar os pecados blasfemados pelo seu colega Silvão ao entregar o ouro e dizer das intenções futuras do Executivo em vender as tais áreas para fazer caixa. Não surtiram efeito, pois todo mundo sabe que a intenção final seria esta, mas valeu a tentativa do diálogo e da busca por outro flanco.

          Só esperamos que essas tais áreas - quando forem vendidas -, não se proceda como o estádio municipal, que (legalmente) foi vendido em leilão público pelo melhor lance e depois de o patrimônio público passar para as milagrosas mãos privadas, em poucos anos de choco comercial, a galinha privada botou um ovo de 4 gemas em cima de um pé de laranja!!!

 

 

Ps1: A melhor definição que ouvi na noite sobre a manobra do prefeito de votar este projeto com urgência, veio de um velho militante político que sabiamente disse: Agora ele só está passando a vaselina. O coito vem depois!!!

Ps2: O único problema é que o Executivo é o sodomizador e nós seremos 90 mil sodomizados, digo, 89.990, pois 10 sodomizados se apegaram tanto ao sodomizador que dispensaram até a vaselina!!!

 

           

 



Escrito por LAMPARINA às 01h38
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 14h54
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 02h18
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 00h03
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 23h47
[] [envie esta mensagem
] []





É O DEVER QUE ME CHAMA

 

          Estou meio triste porque já é a quarta ou quinta pessoa com quem falo ultimamente que me diz que existem rumores especulativos de que eu não estaria frequentando as dependências da Câmara Municipal nas trepidantes tardes de segunda, porque estaria a minha integridade física sendo ameaçada caso por lá eu apareça.

          Gostaria então de esclarecer aos especuladores que, recebo ameaças físicas diretas e indiretas de toda monta, pressões e perseguições legais e ilegais contra mim e meus familiares desde 2007, nunca isso tendo me impedido de dizer ou mostrar outros caminhos e outras notas da triste melodia que temos entoado por aqui nos últimos anos.

           Vimos surgir por aqui uma horda que se apossou do poder e de todos os interesses e essa horda tem sua blindagem assegurada pelos mimos distribuídos aos escalões inferiores dessa pirâmide de poder. Não acredito que os da meia-dúzia que estão no topo da pirâmide percam seu tempo comigo, mas tenho realmente muito temor pelos seus cães amestrados, pois cachorro que se acostuma a comer da mão do dono adquire muito ciúmes desse dono, atacando qualquer um que por ventura ele julgue colocar esse dono sob ameaça.

          Portanto caros amigos e aos 8 ou 9 leitores, esclareço agora que, ameaças intimidativas diretas ou veladas e perseguições de toda monta é uma rotina no meu cotidiano desde que me coloquei francamente em rota de colisão com os corsários em questão e que não conseguiram até hoje efeito prático. Não tenho ido às sessões da Câmara por um único motivo, o dever tem me chamado com uma frequência absurda, o dever para DEUS e para o mundo. Estando assim tão aprisionado pelo dever, tem sido impossível acompanhar as eletrizantes sessões das tardes das segundas e fazer aquela já tradicional tradução comentada do evento, aquelas com isenção e credibilidade total, pois todo mundo sabe que ninguém me paga e não tenho rabo preso para metralhar ou poupar quem quer que seja. Se escorregar vai pro chão mesmo e a queda é narrada com requintes de crueldade, sempre com a ética de deixar a mão estendida para resgatar do chão o descuidado, caso ele queira de lá sair.

           Já dizia o velho beberrão Marx que o homem só consegue ser livre para de fato desenvolver todas as suas potencialidades, quando o pão lhe chega sem dificuldades extremas e esta teoria marxista também está se vislumbrando em minha vida, já que o dever (pra todo mundo) tem me tomado muito tempo e não tem sobrado nenhum para o desenvolvimento das demais potencialidades.

          Sem ter uma bolsa-biribol que me console, sequer uma sobrinha das viajadinhas oportunas, tenho mesmo é que me contentar com o amargor da minha vocação para buscar o pão da forma honesta e digna ao qual me foi apresentada desta forma única e sem atalhos.

           Estou pegando carona ultimamente em termos tão em desuso feito ética e vergonha na cara (da postagem anterior), porque estou lendo um bom livro escrito pelos professores Mário Sérgio Cortella e Clóvis de Barros Filho, intitulado “Ética e Vergonha na Cara” e isso tem me dado algumas definições mais profundas sobre o tema, apesar de que as aplicações continuam bastante tímidas, vistas da ilha para o continente.

           Mas, a partir desta leitura tenho conseguido entender questões que me afligiam tipo: você vai à padaria comprar o seu pão e leite pela manhã e a atendente, aquela mocinha nem bonita e nem feia (típica de padaria, pois se fosse bonita estaria trabalhando em bancos privados, financeira que financia negativados e outros negócios que precisam te vender coisas das quais você não precisa e por isso a atendente tem que ser bonita, para ajudar no convencimento), mas que gosta de andar na moda com aquelas calças de cintura baixa, às vezes baixíssima. Quando ela se vira para o freezer horizontal e se abaixa para pegar o leite, sua ética faz com que ela leve uma das mãos às costas e segure um pouco a cintura da calça para que não fique a mostra aquele “cofrinho” (podendo ser um cofrão maior do que o poupançudo), coisa quase impossível de ser coberto apenas por uma das mãos, mas aquela mão providencial faz com que ela se sinta segura no ato e não ruboresça com a sensação de possivelmente estar sendo observada por você e demais clientes da padaria.

            É também em virtude dessa ética que, quando a atendente se vira desavisadamente de volta para você e percebe que você estava vergonhosamente hipnotizado pelo cofrinho dela (mesmo não sendo um cofrinho lá muito aprazível e tendo você um cofrinho muito melhor em casa), quem fica ruborizado completamente é você. Isso se dá pela ética que nos norteia.

           A parte que ainda não me está muito clara é por que alguns de nós têm a capacidade de se ruborizar ao ser descoberto vigiando um cofrinho alheio, mas não se ruboriza com tantos outros flagrantes da ruptura da sua conduta ética, tipo dizer-se um lutador e um batalhador feito eu ou você, mas receber suave e mensalmente aquela generosa quantia para praticar um “esporte de massa” tão formador de caráter e esportividade como o biribol.

          Dito isso no campo apenas explicativo para compor exemplo prático, os professores Cortella e Clóvis nos asseguram na obra que a ética tem dimensão que remonta das mais antigas condutas da humanidade, porém sempre se adaptando ao contemporâneo.

           Sendo assim, tenho medo de uma sociedade adaptada que se ruboriza com o pagamento de um cofrinho e blinda ações antiéticas como: mentir e enganar o tribunal de contas, pagar bolsa-amigo para aliados, fazer vista grossa para ações que burlem o interesse público em proveito do privado e tantas outras.

          Acho que ainda não me adaptei a este momento contemporâneo da ética e por isso me encontro ruborizado agora, sendo que nem vejo os corsários da Turma levando a mão às costas para esconderem o cofrinho que estão pagando.

          O pior de tudo é saber que só uns 9% é que são os ruborizados!!!

          

 

 

         



Escrito por LAMPARINA às 12h58
[] [envie esta mensagem
] []





HOSPEDEIRO

 

          Todo mundo sabe que política é a arte da hipocrisia, do agregar com tudo e com todos para que se forme um grupo capaz de constituir um domínio de poder. Até aí nenhuma novidade, pois é somando com tudo e com todos que se chega lá, e uma vez lá, muitas vezes o peso dessa jornada inviabilizará boa parte dos discursos e intenções sacramentadas ao longo da caminhada.

          O novo fato político criado na cidade a partir do retorno do atual vereador Osvaldo Carvalho às hostes peemedebistas é o retrato de uma descrição que podemos caracterizar como tipicamente uma manobra política de fortalecimento de um grupo, com causas e efeitos. Pode funcionar bem e dar corpo ao grupo, assim como pode transformá-lo em hospedeiro dos parasitas que orbitam pelo universo parasitário da política.

          O fato é que novas promessas foram feitas pelos caciques regionais peemedebistas e o Osvaldo e seu grupo tiveram que absorver o veneno destilado pela traição submetida pelos caciques da legenda em 2012, quando numa manobra rasteira ardilosamente premeditada pelo chefe da Turma que está no poder, destituíram a comissão provisória local às vésperas da constituição da legenda que possibilitaria a disputa no pleito, tendo sido uma nova comissão provisória constituída e com outros interesses que não o de participação direta no pleito pelo cargo majoritário. O resultado todo mundo assistiu, que foi a filiação - em surdina -, do empresário Waldecy Bortolotti e sua indicação como vice na chapa que se sagraria vencedora fácil, sem disputa alguma.

          Veneno é o aperitivo comum servido ao cálice político e, vergonha na cara e hombridade são iguarias raras, sequer servidas nas entradas da gastronomia do poder, quanto menos oferecidas como prato principal. Portanto, consta que um dos grandes traidores da causa de 2012 veio de farol baixo, de para-choque duro (diria o Evandro Mesquita), tendo feito um mea culpa e já está se preparando para a monta em novo hospedeiro.

           Este blogueiro desenvolveu certa ojeriza pelo parasita peemedebista em questão, justamente por ter sido tão baixo e microscópico como homem, para exatamente averbar sua intenção política naquele momento do golpe de 2012. O tiro saiu meio pela culatra e ele novamente chegou pagando de arrependido.

           Nós todos perdemos muito no episódio, pois abortou a disputa política e praticamente o poder municipal foi reconduzido aos que já estavam anteriormente com sua posse. É o calor e o desgaste da disputa que enfraquece o poder e os poderosos, podendo o povo se alimentar do rescaldo. Quando o poder fica seguro com um grupo de poderosos, o povo só tem a perder, pois não é partícipe dos interesses, apenas a ferramenta necessária para se chegar até eles.

           Talvez tudo isso seja mais bem explicado se pegarmos as manchetes da mídia regional e recortarmos tudo de vergonhoso que por aqui aconteceu nos últimos anos.

           Sem ter a humildade e a destilaria venenosa do vereador Osvaldo Carvalho, este blogueiro lhe deseja sorte na nova jornada, sempre recomendando atenção redobrada com os parasitas, os da santa fé e os demais que o rodearão para chegar lá!!!  

 

           



Escrito por LAMPARINA às 21h41
[] [envie esta mensagem
] []





FÁBRICA DE PREFEITOS

 

         Os assuntos atuais que mais ecoam no paraíso dos ventos dão contas da entrada de segurança máxima com guarita que está sendo construída na Santa Casa (aos moldes do entra e sai quem e quando queremos) e essa determinação exclusiva de direcionar o atendimento do pronto socorro local unicamente para o UPA, ficando a Santa Casa somente com a emergência de gravidade extrema.

          A desculpa da qual se vale a administração da Santa Casa para não atender o usuário corriqueiro local é válida, pois sendo a UPA uma unidade de atendimento empreendida pelo governo federal e direcionada para o pronto atendimento local, em tese seria a solução para o grosso do atendimento, ficando a Santa Casa somente com o atendimento mais complexo local e o geral necessário para dar suporte à toda região atendida pela nova Santa Casa com esta nova graduação de “estruturante”.

          Porém, o que a população está reclamando não é esta questão de onde seremos atendidos, se na UPA ou na Santa Casa. A população está revoltada é com o congestionamento que esta determinação administrativa está causando, com demora de 4 ou 5 horas para que o usuário seja atendido, enquanto a Santa Casa está lá vazia e ociosa.

         O cidadão que precisa de atendimento médico sabe que, pela UPA ou pela Santa Casa, o seu atendimento médico é garantido constitucionalmente com recursos públicos e não consegue entender porque tem que ficar 4 ou 5 horas esperando em uma porta, estando a outra porta mantida com verba pública, fechada para ele.  

         Desde a inauguração da UPA em 2011 que esta determinação já era vigente, inclusive me lembro bem das palavras da secretária de saúde e do prefeito no dia da inauguração, vestidos a rigor com aqueles uniformes de socorristas (que eu não ganhei um) frisando esta determinação do atendimento e adequando o hábito popular à nova realidade: atendimento corriqueiro – UPA; atendimentos graves e complexos – Santa Casa.

          Nunca é demais lembrar que a Santa Casa, atendendo ou não o corriqueiro ou só responsável pelo atendimento mais complexo local, continuou recebendo a subvenção da prefeitura municipal para este atendimento e os valores são sempre crescentes, diferente desta determinação diminuta de agora só atender a complexidade e fechar a porta para o atendimento corriqueiro. Numa rápida busca pelo Transparência descobriremos que em 2013 1,460 milhão foi pago a Santa Casa na conta de subvenção à entidade. Em 2014 a conta engordou mais um pouco e aportou  1,825 milhão. Em 2015 ainda não estão disponíveis os valores, mas já se tem empenho desde 2014 para pagamento em 2015.

          Ou seja, enquanto as portas da Santinha se fecham para os locais e permanecem abertas para a população regional, à administração local aumentou repasses à entidade.

          Outro fato a se observar e que é “teoria” obrigatória de quem conhece a nossa realidade política local, é o fato de as lideranças políticas estarem blindando a Santa Casa para o saneamento parcial daquela dívida monumental (mais da metade dos seus ativos) que apareceu do dia pra noite num dia de 2012 (depois que uma manobra política garantiu que a Turma não teria adversários na disputa política) e que até hoje ninguém conseguiu explicar ao povo, já que 4 anos antes o mesmo grupo vendia uma imagem de um hospital modelo e saneado financeiramente, o que levou o ex-provedor Marão Filho da cadeira da Santinha diretamente para a cadeira do Paço, sem escalas políticas, apenas com o status de empreendedor que fez o milagre de sanear e dar nova vida ao nosocômio misericordioso criado para ser nosso reduto de tratamento de saúde.

           O milagre era um embuste, assim como outros perpetrados pelo milagreiro e seu grupo, que agoniza depois da Operação Fratelli.    

           Portanto meus caros concidadãos, se atentem para o novo palanque que está sendo montado na velha urna eleitoral misericordiosa e reparem como de lá está sendo parido um novo MESSIAS milagreiro.

           Ou seria FARINHEIRO?!?!?!    

 

 

 



Escrito por LAMPARINA às 14h07
[] [envie esta mensagem
] []





FAMOSINHO

 

          Esta semana um acidente de trânsito comum como o que acontece aos montes nas estradas e vias públicas brasileiras vitimou fatalmente um jovem artista e sua namorada.

           Eu não conhecia Cristiano Araújo sequer de nome, nem nunca ouvi nenhuma de suas músicas com o consciente auditivo de que aquele cantor que está ali cantando no cotidiano do rádio ou em qualquer lugar que fosse,  seria Cristiano Araújo, certamente por não ser consumidor do tipo de trabalho que ele vendia. Portanto, ele me era um total desconhecido, tipo o transeunte que você passa por ele numa cidade estranha e não tem preocupação alguma de desejar-lhe um bom dia, pois não faz parte do seu cotidiano.  

          Eu já relatei por aqui algumas experiências Brasil afora com artistas e suas caravanas, pois são tão ou mais viajantes do que eu, artistas que eu conheci e aprendi a respeitá-los, não pelo gosto musical e artístico, pois realmente é bem duvidoso, mas pela forma com que o mercado brasileiro do setor foi se profissionalizando e criando estes deuses populares como produto. Aliás, para se entender e aceitar determinados fenômenos populares do setor, nem com junta médica de papas da psicologia mundial como Piaget, Wolfgang, Watson e Freud.

           Bom, resumindo, será que alguém reconheceria um cidadão chamado Pepe Moreno como uma lenda??? Apois, que o sujeito é uma verdadeira lenda, um mito em alguns estados do norte e nordeste. Muitos não sabem quem é o governador do estado, mas conhece tudo do Pepe Moreno.

           O acidente que vitimou o cantor Cristiano Araújo e a namorada é um daqueles que ficarão pendurados na conta de alguma imprudência qualquer, já que o local aonde ocorreu o acidente - que já esteve em péssimas condições desde meados de 90 até depois da posse do Lula em 2003, que reestruturou minimamente todas as rodovias federais que estavam abandonadas -, hoje, está em processo de implantação de privatização e com boa qualidade asfáltica no trecho.

          Nos dias seguintes a morte do famoso cantor (meu desconhecido total) presenciamos uma enxurrada de polêmicas e sensacionalismos jornalísticos causados por esta nossa total conexão moderna (a citada no post anterior) e este modelo de jornalismo sensacionalista que às tevês públicas nos vendem atualmente. Primeiro foi o vazamento de uma gravação da autópsia e todo o constrangimento que a ação causou à família e aos fãs. Depois, à série de furos do jornalismo sensacionalista com imagens indutivas para teorizar que o cantor estava meio que prevendo a sua morte, assim como o aparecimento do suposto vidente que fez uma previsão de morte e a registrou em cartório. Depois veio às inúmeras teorias e suposições dos fatores que teriam contribuído para o acidente.  Tudo isso foi o que movimentou o noticiário com flashes ao vivo das últimas notícias e a cobertura total no jornalismo âncora.

           Acho que toda essa nossa necessidade de acompanhar acontecimentos mórbidos deve ser meio doentio. Como eu sequer tenho celular com android e não recebi e nem compartilhei a autópsia do cantor e da namorada, tentei fugir dos locais aonde cheguei e vi a tevê ligada no jornalismo sensacionalista e sou também uma vítima em potencial de acidentes, acho que não me sinto atraído pelo tema. Mas, é notório como tem gente que se alimenta da morbidez cotidiana.

           Centenas de pessoas morrem diariamente vítimas de acidentes de trânsito de todo tipo e não consigo entender que o semelhante sinta prazer em registrar esta barbárie em imagens. E como é comum passar por aí em acidentes graves e notar pessoas registrando os detalhes mais cruéis dessa guerra.

            Talvez esses casos envolvendo famosos sejam a ferramenta necessária para que providências sejam tomadas e nossas autoridades deixem de tratar o trânsito com remédios que engordam os cofres públicos e não representam alívio nos índices de acidentes.

             Radares móveis e fixos se multiplicam e dá pra se contar aos metros nas estradas e nos perímetros urbanos, mas a tímida lei seca está praticamente esquecida e pouco se vê o cumprimento rigoroso da lei (que até o quase presidente Aécio Neves se recusou aos seus rigores), assim como a determinação do Contran que prevê a obrigatoriedade do teste de drogas para habilitações novas e renovações.

             O Estado está mais preocupado em castigar o cidadão pelo bolso e não em implantar medidas que o eduque e nos livre dos perigos dos motoristas irresponsáveis!!!

 

              



Escrito por LAMPARINA às 19h35
[] [envie esta mensagem
] []





RAINHA DA SOJA

 

          Eu não costumo me entregar diante de certos modismos. Não que eu seja um conservador, pelo contrário, mas é que eu tenho um certo pavor ao ridículo.

          Aparelho celular eu só comecei a portar um de fato, depois que ele se tornou um utensílio indispensável e todo mundo me cobrava à falta de um, então fui praticamente obrigado a me acostumar com esse bicho, mesmo nunca tendo me integrado à sua evolução, tanto que, tive 2 aparelhos durante esta minha experiência de dependência, um tal Baby da falecida Telesp Celular que era da Vivo e depois comprei um Nokia, o nokinha papai e mamãe básico como ficou conhecido, aquele que só liga e recebe, não tira foto, não grava áudio, nem lanterninha pra achar coisas no escuro ele tem.

            Acho fantástica a evolução tecnológica, mas acho que a grande maioria de nós ainda não está preparada para ela. Quando vejo pessoas se valendo dessa tecnologia e sendo mal usadas por ela, não sei se sinto pena ou raiva do sujeito por ser tão idiota. Outro dia mesmo eu estava em Primavera do Leste-MT e conversava com um jovem de lá sobre aquela postagem que andou sendo compartilhada à exaustão por aí nos zap zap da vida, onde o conteúdo dizia que a presidenta Dilma teria aterrissado o aerodilma por lá numa noite, tendo os jagunços da guarda presidencial ido à casa do oficial do cartório e o tirado do seu sono para lavrar a escritura de uma fazenda que a presidenta teria comprado por lá.

             A trollada é de uma falta de criatividade tal, que quem a inicia conhece muito bem o nível intelectual do receptor e o faz na medida dessa recepção, pois é preciso ser mesmo muito pateta para crer que um único ser se convencerá disso e repassará isso adiante como fato merecedor de alguma consideração.

            Quem conhece a região de Primavera do Leste sabe bem que ela é essencialmente agrícola e algumas poucas áreas de pecuária pode aparecer feito um oásis no deserto, mais pros lados de Poxoréu, pois para o lado de Campo Verde é lavoura, para quem segue sentido Paredão, logo tem a reserva Xavante depois do Rio Sangradouro e para o lado de Paranatinga também é tudo agricultura de cabo a rabo.

           Certamente então a Dilma deve ter nos roubado zilhões e aplicado numa fazenda-empresa que planta soja e algodão em grande escala, pois é só o que tem na região de Primavera do Leste.

           Depois das muitas leituras sérias e comprobatórias que tivemos disponíveis sobre toda a operação de como a cúpula do PSDB vendeu o patrimônio do povo brasileiro nas privatizações e carregou a comissão para os paraísos fiscais, leituras essas assinadas pelos autores e, portanto, estando os personagens livres para contestarem na forma da lei o que não lhes impute a verdade, parece piada dizer que um suposto corrupto de alto escalão compre uma fazenda como investimento do produto da corrupção.

           Corruptos de alto escalão não compram fazendas. Corruptos carregam o suado dinheiro - fruto de tanto esquema e trabalho complexo de conquista -, para os paraísos fiscais e para nações de fisco bem flexíveis. Corruptos não podem cair na tentação de virarem grandes produtores de alguma coisa e cidadãos de bem, que conhecem o valor do trabalho, o custo da produção e estas coisas complexas que só quem trabalha sabe avaliar.

           É por essas e por outras que eu tenho medo de me jogar nessas tecnologias da comunicação. Tenho pavor de me ver como um idiota que compartilha esses absurdos e ainda envia para os amigos como se fosse um achado, uma fórmula secreta de Einstein que encontrei dentro de uma garrafa boiando no São José dos Dourados.  

           Também tenho pavor de perder minha tranquilidade e minha percepção. Vivendo na estrada há mais de 25 anos desenvolvi um plano individual de segurança que consiste basicamente em nunca perder a atenção de nada e nem de ninguém a minha volta. Tudo que se possa imaginar já me aconteceu, desde tiroteio dentro da padaria onde eu estava lanchando em Arujá, até ataque de fúria de ladrão de supermercado em Açailândia-MA. Então, mesmo estando em suposto lugar rotineiramente tranquilo, não perco a atenção nunca, nem na hora de comer, sempre com um olho no peixe e outro no gato.

            O que temos visto nesses novos tempos de comunicação on line via aplicativos é um a legião de viciados compulsivos em conexão. Ninguém mais se desliga sequer na hora de comer e passa o tempo todo fotografando e enviando até aquilo que está comendo e bebendo.

            O sintoma mais grave dessa compulsão é que até na hora de ir ao banheiro você se depara com o sujeito do box vizinho recebendo aquele sinal de mensagem dos aplicativos enquanto executa a tarefa destinada ao local.

            Como tenho certa tendência compulsiva, recuso-me a me jogar nesta onda. Mas, sei que um dia terei que ceder e me tornar um potencial conectado total assim também, assim como tive que ceder à refenização do celular. Espero me tornar um compulsivo moderado.

             Desde os anos 80 quando o empresário Olacyr de Moraes liderou os interesses do governo militar para colonizar e agricultar parte dos chapadões do norte de MT, tendo se tornado logo o primeiro rei da soja brasileiro; depois da sua derrocada financeira foi substituído no reinado temporário pelo também megaempresário Ivo Ruaro de Alto Garças-MT e agora, segura a coroa de forma mais permanente o Grupo Maggi, sob a liderança empresarial do ex-governador do MT, Blairo Maggi.

             Diante das notícias do investimento da presidenta Dilma em fazendas de soja, tudo indica que ela, além de ter se imortalizado na história como a primeira mulher eleita presidenta no Brasil, ainda deve também estar pretendendo ser a primeira Rainha da Soja brasileira. Claro, isso depois de 2018 quando terminar o seu mandato. Por hora, a velhaca vermelha parece estar somente se dedicando ao plantio!!!

 

PS1: Os corruptos locais viajam 4 vezes por ano pra Europa com escala nos paraísos fiscais para puxar um extrato e conferir a choca do dinheirinho por lá. Essa Dilma petralha é mesmo uma ladra de galinha!!!

 

PS2: Acho que o vírus da idiotice conectiva não tem barreiras, haja vista que presenciei um médico local compartilhando essa asneira da suposta fazenda da presidenta em sua página social, além da outra do Lulinha dono da JBS. Isso me leva a crer que a idiotice é planejada e que só mesmo os idiotas com alto teor se contaminam por ela. Ou, no caso desse médico, deve ser reserva de defesa, já que ele é um dos que viajam 4 vezes pra Europa por ano pra chocar a graninha fecundada a partir de umas engenhocas que opera pagas pelo SUS!!!

 

 



Escrito por LAMPARINA às 23h28
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 16h41
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 18h14
[] [envie esta mensagem
] []





LEMBRANÇAS DE UM PORRE DE VERÃO

 

          Algumas dúvidas insistem em me tirar o sono. Fico lendo e ouvindo o zum zum zum todo sobre o suposto apagão financeiro da administração pública local e, todas às possíveis soluções anunciadas e especuladas para o imbróglio - como a extinção das secretarias que foram criadas no segundo governo com a alegação de que não representavam oneração da máquina, isso dito pelo próprio prefeito Marão Filho lá naquela sabatina na Câmara, onde ele foi inquerido sobre o tema pelos munícipes que participaram dos protestos da chamada Jornada de Junho em 2013 -, mas existem muitos outros pontos ainda há serem questionados.

           Na ocasião eu fui rigorosamente contra a criação da secretaria de Direitos Humanos e o desmembramento de Cultura da Educação, porque acompanho a vida política e administrativa do município e sabia que a ação não tinha nenhuma pretensão prática além de criar mais acomodações para parceiros e apoiadores da gestão na máquina pública, só manobra de prolongamento e a expansão do famoso cabidão.

           Depois de pagarmos esse inchaço-premeditado-acomodativo da máquina pública já por mais de 2 anos, tendo o prefeito nos garantido lá atrás que ele não representava oneração da máquina, agora a medita de guilhotina vem acompanhada da alegação de que representará tanto e quanto de economia ao município.

           Como eu não acreditei naquele discurso do senhor prefeito de que a criação das pastas não significaria oneração da máquina, agora não me sinto usuário do nariz de palhaço, mas você que acreditou, por certo deve estar se sentindo, né???

           Outra dúvida que vagueia pelo meu consciente lógico, é quanto ao presente prometido ao Cabra do North. Quando estamos em boa situação financeira e somos convidados para o aniversário daquele amigão da vida toda, certamente compramos um valioso presente para presenteá-lo na medida da sua importância em nossas vidas. Se a situação não for assim tão boa, vamos de lembrancinha mesmo.

           Como a nossa situação na ocasião do anúncio do presente do senhor prefeito ao Cabra do North era extremamente favorável e ele fez o possível e o impossível para entregar-lhe a garantia de um presentão de milhão – Será que agora em 2016 - quando o empreendimento tem promessa de ser reiniciado -, ele também vai reverter o milhão em lembrancinha, ou vai cortar ainda mais fundo na carne para sangrar esse boi de piranha???

          Quem sobreviver assistirá mais esse episódio do teatro municipal sendo encenado!!!

 

 

 



Escrito por LAMPARINA às 02h33
[] [envie esta mensagem
] []





BAIXÍSSIMO

 

          A Rede Globo de Televisão não se cansa de mandar mensagem direta à comunidade evangélica brasileira sobre sua opinião e visão da sociedade evangélica nacional. A mensagem está sempre ali presente na gama de produção novelística, reproduzindo nacionalmente o asco que a emissora nutre pela tribo que cheira Bíblia. Dão sempre aquele jeitinho de embutir na proporcionalidade representativa que a produção tem por lei de concessão que cumprir - como representação das camadas sociais -, aquele personagem imbecil, sacana, refém da psicopatia religiosa (que praticamente se verifica em quase todos os que se assumem de um lado em disputa e fica refém dos ataques dos outros) que claramente represente à comunidade evangélica.

          Nós sabemos que esta perseguição global aos evangélicos teve início com mais esmero depois da escalada da Igreja Universal assumindo os tentáculos midiáticos da tevê Record. Os ataques são pura tentativa de rechaçar a ameaça comercial que a Record representa à tevê Globo, mas a massa evangélica é usada como alvo nessa guerra e esta é a parte suja de se usar inocentes que já estão sendo usados pelo outro lado como bucha de canhão, já que a forma com que a massa evangélica é usada para produzir dividendos - pelos fundadores da Universal (e mais umas e outras por aí) -, também não é fruto de nenhuma estratégia decente e limpa. Coisa de baixíssimo nível dos dois lados.      

           Manobrar seres humanos apelando para uma das nossas maiores fraquezas estampadas pela total incerteza da criação humana, não é nada ortodoxo aos privilegiados com um pouco mais de cultura e maior entendimento, mas o que a Globo faz consegue ser ainda mais repugnante.

          Na novela Babilônia a tribo está muito bem representada pelo clã evangélico dos Pimenta, capitaneado pelo corrupto, sacana e privilegiado do Altíssimo, o prefeito de Jatobá, Aderbal Pimenta. A mãe do prefeito corrupto o ajuda em todas as suas safadices e a esposa e filha são a parte idiota legítima da família.

          Não é segredo de ninguém que a Globo odeia também o PT - que lhe arrancou do poder por 4 eleições seguidas -, e que ninguém se espante se a campeã de audiência das 21 também embutir mais adiante algum indicativo de que o prefeito Aderbal Pimenta seja um petista-lavajatista e que acabará sendo privilegiado nos próximos capítulos com uma preventiva dessas que o judicialismo moro anda distribuindo por aí a torto e a direita pra depois correr atrás de alguma comprovação que a embase. No caso do Aderbal Pimenta da ficção não seria necessário muito esforço. Já no caso de outros prefeitos e políticos em geral privilegiados pelo Altíssimo de partidos mais coloridos, é missão quase impossível.

          Olhando friamente para esse imenso cabo de batalha estendido entre a Universal e a Globo, dá para se entender os métodos de que se vale a Globo, pois não é nada difícil incriminar e idiotizar uma tribo que tem como expoentes o Malafaia, o Feliciano e demais exploradores da boa fé pública como o chapeludo latifundiário de Poconé Valdemiro Santiago.

          Pobre do rebanho conduzido por esses tocadores. Mais pobre ainda é o telespectador ludibriado pela Globo e pelas suas técnicas de se manter sempre a beneficiária máxima das graças do Altíssimo, que aí no caso também é muito conhecido como cofre público.

          E, para que ninguém se estremeça com a minha fé, fui criado no seio de uma família bem Cristã, sendo do lado da minha mãe, evangélicos e do lado do meu pai, católicos praticantes e espíritas, do tipo fiel e praticante mesmo, que rezava terço e levantava mastro pra São João todo ano, ia à missa todo domingo e benzia lá no seo Jácomo e na Dona Juventina até a água de beber, o que é uma prova de que ninguém consegue sodomizar espiritualmente ninguém que não seja um predisposto a se entregar ao mais fácil.

           Infelizmente o nosso povo brasileiro tem motivos de sobra para ser um predisposto dessa sodomização, pois vivemos num país onde o Estado não cumpre com suas obrigações básicas e onde o Estado não chega para prender o bandido, trazer o alívio da dor com hospitais e saúde pública de qualidade, para trazer a água e o saneamento, para tapar o buraco, para trazer a escola de boa qualidade, os sodomizadores da fé chegam com a promessa de um mundo maravilhoso do outro lado da cortina, que tem tudo isso e o afago sereno de deus para o resto da vida, tudo isso por míseros 10% do seu salário.

 

           Barato demais, não??? Pena que só conseguimos obter os dividendos da capitalização depois da travessia. E ninguém quer fazer a travessia!!!



Escrito por LAMPARINA às 00h44
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 20h02
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]