Meu perfil
BRASIL, Sudeste, VOTUPORANGA, VILA MARIN, Homem, de 36 a 45 anos, Zulu, Azerbaijani, Tabacaria, Animais, fazer a cobra fumar
MSN -




Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Facebook do Lamparina
 Blog do Lamparina (antigo)
 Twitter do Prefeito Marão Filho
 Twitter do Lamparina
 Dcionário Priberam da Língua Portuguesa
 F. Pepito Verbos
 T.C.E
 T.R.E-SP
 T.S.E
 Câmara Municipal de Votuporanga
 Prefeitura Municipal de Votuporanga
 SAEV
 UNIFEV
 Portal Transparência Brasil
 Blog do Azenha Vi o Mundo
 Carta Capital
 Jornal A Cidade
 Jornal Diário de Votuporanga
 Conversa Afiada do PHA
 Blog do Eduardo Guimarães
 Blog Escrevinhador do Rodrigo Vianna
 Blog do Professor Hariprado
 Blog do Josias de Souza
 Blog do Luciano Viana
 Observatório da Imprensa
 Óleo do Diabo (Gonzum)
 Blog do Paulo Cosmo
 Blog do Ricardo Fujiro
 Portal Vermelho org.
 Jornal do Poeta Gibim
 Blog do Miro
 FBI
 Blog da Dilma
 Terra Goyazes
 Criador de Saci
 Amigos do Presidente Lula
 Blog da Irmã Cleycianne
 Blog do Celito Garcia
 Blog do Manuel Ruiz
 Receita Federal (consulta de CNPJ)
 Blog do Virgulino
 Refluxo News
 Pedagiômetro
 Votulandia
 Blog do Cardosinho
 Blog do Juliano Matos
 DOMíNIO PÚBLICO
 trezentos
 Blog do vereador Osvaldo Carvalho
 Blog do Fofoqueiro
 Uma vida sobre duas rodas
 Blog do vereador Meidão
 jornal O Jornal
 Votunews
 Diário Web
 Receita - Consulta CGC




BLOG DO ROBERTO LAMPARINA
 


HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 15h17
[] [envie esta mensagem
] []





CALÇA DE COURO

 

          Alguns dias atrás eu estava almoçando num restaurante em Grajaú-MA, quando uma pessoa se aproxima e pede para usar o saleiro que estava sobre a minha mesa. Sem ter me apercebido da sua entrada no recinto - coisa difícil de acontecer, pois tenho por hábito sempre me sentar em local onde nunca fico de costas pra ninguém e sempre com atenção em quem entra pela porta, dinâmica de risco de quem vive pelo mundo e sujeito a todo tipo de violência que hoje se está refém do Oiapoc ao Chuí -, autorizei o uso compartilhado ao requerente, que agradeceu e voltou para a grande mesa juntada onde ele almoçava com outras pessoas que davam muitas risadas e conversavam alto naquele dialeto nordestino que é quase um mandarim aos nossos ouvidos despreparados do sudeste. Passei então a acompanhar com os olhos o sujeito esquisito, pois além de cabeludo feito eu, parecia acabar de ter saído de uma longa sessão de alisamento por chapinha. Outro detalhe importante é que o sujeito esquisito usava uma calça vermelha de couro. Ninguém teria coragem de sair por aí usando uma calça vermelha de couro, a não ser que o sujeito fosse artista, pois aos artistas cabe todo tipo de excesso, no palco ou mesmo no cotidiano casual.

          Nas minhas andanças por aí me deparei muitas vezes com artistas e suas equipes, alguns muito badalados por fãs de momento e cercados por curiosos que não entendem que o artista é um cidadão comum, despertando curiosidades e quebrando a calmaria dos lugares.  Acho que eu e a Banda Calypso  somos campeões em quilômetros rodados, pois teve um tempo que nós encontrávamos muito pelo Brasil, quando a Joelma era ainda uma paraense bem jeitosinha e o Chimbinha tinha aquele topete descolorido, coisa genuinamente de artista, pois ninguém teria coragem de sair aí pelas ruas usando uma calça de couro com um topete descolorido daquele jeito.

          Certa vez encontrei em Exu-PE o finado rei do brega Reginaldo Rossi, um sujeito alto e bem esquisito,  também dentro de uma calça de couro preta, com um barrigão de motorista de caminhão já em estado terminal e as perninhas finas parecendo de sabiá.

            Bandas muito populares no circuito norte e nordeste como Calcinha Preta e Aviões do Forró puxada por aquele gordinho baixinho e aquela estonteante Solange, que é mesmo muito bonita dentro e fora do palco, é quase uma certeza de se topar em algum lugar em qualquer dia, pois o pessoal roda muito o Brasil de segunda a segunda também.

          Hoje em dia é fácil fazer sucesso e qualquer cantor de chuveiro que tiver a atenção despertada por um desses magos do mercado fonográfico poderá chegar lá, se tiver à assessoria necessária. Antigamente o artista mais popular começava por baixo e íamos acompanhando a escalada da carreira do sujeito à medida que o ônibus que o transportava ia se modernizando e chegava ao top do luxo com esses ônibus bidirecionais de quase 1 milhão de reais de hoje.

          O mercado se modernizou e percebeu isso, criando empresas que arrendam esses ônibus milionários para empresários e artistas desconhecidos, podendo assim o quase desconhecido chegar em grande estilo no local do show e se passar por uma marca milionária e consagrada, lógico, com o show vendido como se fosse realmente uma marca milionária, principalmente para médias e pequenas cidades, cujo interesse público turbinou esse mercado com os tradicionais superfaturamentos da moeda pública.   O empresário dá os 20 ou 30% para o pessoal da prefeitura e fornece aquela notinha caprichada de zero, e contrato assinado.

          Ninguém nunca ouvir falar de Rayonder & Rayoler, mas os caras chegam num bidirecional personalizado com a estampa dos dois como sendo uma marca de sucesso na carroceria do ônibus, e um show deles já pode ser vendido por 250 ou 300 paus. Aí é só tocar um sertanejo universitário ou um forró desses repetitivos e altamente dançante com acompanhamento de alto teor alcóolico num open bar, que ninguém nunca perceberá que o Rayonder & Rayoler sequer sabem cantar um atirei o pau no gato bem arranjado.

           Mas, voltando ao cabeludo chapinhizado de Grajaú, pelas características já declinadas eu desconfiei que ele fosse um artista, mesmo que meu pouco conhecimento na área não o reconhecera de imediato. O Brasil é muito grande e alguns artistas regionais são verdadeiros deuses. Quando o garçom veio me trazer uma água com gás que eu havia pedido, tomei a liberdade de perguntar quem seria aquele sujeito meio andrógeno da mesa ao lado – Tu não sabe quem é não??? É o Uérlei – me respondeu o garçom com aquele sotaque forte de maranhense da gema – De que planeta tu veio??? – dessa vez a pergunta veio dele, me crucificando por não conhecer aquela quase divindade – Tu deve ser paulista – sentenciou o garçom, já quase se igualando aos xenófobos sulistas liderados pelo príncipe da privataria Fernando Henrique Cardoso e seus despeitados extremistas, que perderam perdendo na última eleição, mas ainda não se conformaram com a derrota.

           Mesmo diante do esclarecimento tão profundo eu continuava sem saber nada, pois quem seria essa p... de Uérlei que eu nunca vi no Faustão, nem no Serginho, sequer no terrível Esquenta???  

          Terminei de almoçar, paguei a conta e saí pra fora. Nesse momento me deparei com um ônibus desses de alto luxo na porta do restaurante, e que ostentava a imagem do sujeito chapinhizado de calça de couro que eu acabara de conhecer via saleiro compartilhado. Ao lado da imagem gigante da figura do artista tatuada em toda parte do busão de luxo, os dizeres: Wesley Safadão & Banda Garota Safada.

           Guardei o nome para chegar em casa e procurar no Google (abençoado seja!!!) os dotes artísticos do tal Uérlei. E foi assim que descobri esse clássico popular do Rei da Balada: https://www.youtube.com/watch?v=Sr8njDebck4 . Mas tem muito mais, pois o acervo do rapaz é riquíssimo, talhado para o sucesso.

 

          Se tiver bebida free dá até pra decorar uns dois hits!!!



Escrito por LAMPARINA às 13h06
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 21h28
[] [envie esta mensagem
] []





VACA PROFANA

 

          O macaco come banana de forma tão mecânica que às vezes acaba sendo engolido por ela.

          Novamente estamos verificando isso na prática no caso do leilão do velho prédio onde já foi um dia o Laticínio Bom Dia e atualmente pertencente ao Laticínio Glória, um grande prédio de quase 4 mil m2, em área privilegiada da cidade, com acesso fácil e direto para a rodovia Euclides da Cunha, em local alto e plano, além de ser de fácil adaptação, pois tem um amplo galpão que servia ultimamente como área de estoque do leite longa vida e que pode virar facilmente tudo que se queira.

          Um segundo leilão se passou e o prédio não foi arrematado em leilão on-line. E para quem não sabe o que isso quer dizer (eu sei... E como sei, né urubus do Fórum???), isso significa que no terceiro leilão o prédio será arrematado podendo ter preço estipulado em até metade do valor mínimo inicial, que é de 1,3 milhão. Ou seja, é essa a hora dos compradores de vacas-mortas. Os tais “investidores” esperam esse momento da desvalorização judicial autorizada e obrigatória para investirem o rico dinheirinho num negócio bem rentável. Essa é a regra, muito clara e que legitima tudo em poucos minutos com prejuízos enormes para alguns e lucros absurdos para outros.

          Essa fase da liquidação é bem disputada e, “investidores” e seus “olheiros” (os que localizam e se certificam de que a vaca é mesmo morta) se debruçam sob a possibilidade de que a vaca esteja mesmo bem morta e sem nenhuma chance de ressuscitar na hora da marretada final no matadouro.

          Se alguém souber a resposta, que me digam por que será que a prefeitura pagou 1,750 milhão naquele prédio aonde foi o Celtas, medindo 2,131 m2, metade do que esse aí do Glória, na quadra de baixo, numa área de declive e que também teve que fazer investimento em adaptação???

         Melhor que ninguém me responda... Tenho medo de perder minha ingenuidade e acabar sendo queimado pelo pouco fogo da minha lamparina, assim como os macacos que estão sendo comidos por esta banana!!!

 

PS: Eu detesto repetir título de textos, mas nesse não teve jeito... Não encontrei nenhum título novo que justificasse a matéria com tanta justiça!!!

 

           



Escrito por LAMPARINA às 18h49
[] [envie esta mensagem
] []





MEDICINA PSICOGRÁFICA

 

          A vida é uma grande universidade da qual nunca conseguiremos nos graduar definitivamente e estaremos sempre - até o último suspiro -, sentados na sala de aula. Ela nos ensina (do jeito mais fácil ou do mais difícil) tudo e o tempo todo. Alguns aprendem mais rápido e outros o aprendizado é mais demorado, mas todos temos a capacidade de aprendizado.

          Os relatos a seguir são só parte da aula que já assisti e sem a pretensão alguma de repassar o conhecimento, pois este é individual e o aluno precisa estar aberto ao aprendizado para poder então recebê-lo.

          Eu nasci e me criei aqui pelas nossas ruas ainda em sua maioria cobertas pela boa terra da região e, no meu tempo crítico daquela jornada entre a adolescência e a juvenil idade não tínhamos todas essas liberdades que vemos os jovens hoje em dia tendo, como arrumar uma namorada e dormir na casa dela, ou vice-versa. Na matéria de educação sexual só haviam três formas de se obter os conhecimentos mais básicos, ou se conseguia juntar uns trocados pra assistir aula in loco numa das muitas casas do nosso baixo meretrício e nas chacrinhas que circundavam a cidade; ou se começava a olhar (di grátis) de forma terna e diferenciada às éguas dos velhos Marin e Cuenca nas chácaras perto do terreiro de casa; ou partia para a religiosidade e fazia mestrado abençoado na casa paroquial mais famosa das brisas.

          Nunca tive nenhum dom no trato equino, assim também como nunca apreciei o gosto da hóstia. O que me sobrava então era juntar os trocados para assistir aulas nas escolas rurais da região, e naquele tempo alguns efeitos desse aprendizado normalmente poderiam aparecer nos dias seguintes à aula.

          O sujeito sentindo aquela ardência na uretra e a dificuldade em urinar, não precisava ir ao médico para ter um diagnóstico definitivo. Era só procurar alguns dos antigos farmacêuticos das poucas farmácias que haviam naquele tempo, que o prático na medicina já ia logo aplicando aquela injeção dolorida e mágica, mais alguns comprimidos que você tomava em casa e na quinzena seguinte já poderia retornar à aula novamente acrescido da experiência vivida e das formas de não mais sentir aqueles efeitos terríveis da matéria reprovada.

          Chegar ao ponto da busca da cura era o terrível, pois a vergonha era imensurável, já que a cidade era pequena e todo mundo se conhecia ou sabia quem você era. Tinha um velho farmacêutico numa das nossas farmácias aqui da rua Amazonas que era expert em educar os desatentos alunos desse tempo, pois o menino chegava lá todo envergonhado, com o balcão cheio de gente, tentando requerer um atendimento mais no particular lá do outro canto do balcão, e o velho farmacêutico professor dava corda. Quando o menino conseguia expor a situação, ele dava um grito pra todo mundo ouvir – O quê... Você tá com o pinto ardendo e saindo secreção do canal da urina??? Isso é muito grave... Se não tratar isso logo você vai perder esse pinto (como se tivesse jeito de crescer outro)!!!

          O velho farmacêutico, além de um excelente profissional em farmácia era um grande professor, que da sua forma simples e se aproveitando da sua experiência e do seu trato com a juventude, curava e depois ensinava os caminhos da prevenção, sempre recomendando a visita de retorno na semana seguinte para avaliar o efeito das drogas e aplicar mais uma lição de vida no aluno.

          Eu acredito ser bom profissional no que faço, não por eu assim querer ser ou por pseudo-atribuição, mas pelo meu histórico. Eu trabalho num serviço de alto risco, que requer muita atenção e cuidados com tudo a minha volta e, nos meus muitos anos de profissional jamais fui o responsável por qualquer dano material ou físico a alguém. Eu erro, e muito, mas tento aprender e corrigir meus erros para minimizar seus efeitos. Tenho muitas experiências além da minha bagagem, pois tive a sorte (ou azar) de ser protagonista de muita coisa, como estar sob a mira de um bandido me chamando de bandido e querendo se apropriar do fruto do meu trabalho (quer mais pressão psicológica do que essa??? Só mesmo quem já passou por isso sabe o que é), além de dois acidentes muito graves com vítimas fatais. Acredito que todo mundo nasça com um dom especial e uma aptidão nata para cada qualificação e, quem se encontra com esta aptidão durante a vida será o bom profissional. O que não se encontrar com ela será o comum, o que faz determinado trabalho pra ganhar a vida e só.

          Cheguei de viagem ontem com uma irritação na virilha típica dessas causadas por esses fungos e bactérias que se manifestam mais facilmente no período de verão (as famosas cafubiras, picumãs, tum tum e etc.). Se fosse na minha meninice a minha avó fazia logo um preparado a base de casca de angico verde no álcool com semente de pinhão e era passar umas duas vezes que o problema estaria resolvido. Algum tempo atrás também daria pra correr na farmácia mostrar o problema para um bom profissional do setor e certamente ele daria o nome da cura. Mas hoje, infelizmente, pouco se consegue comprar em farmácias sem a receita médica e diante desta constatação, só me restou como saída eu me valer da minha cota do melhor e mais caro plano de saúde do mercado, o SUS. Lá pela uma da manhã, com a certeza de não pegar aquela fila básica de atendimento me dirigi ao UPA local e pimba, acertei em cheio, estava completamente vazia a unidade, apenas com um senhor que acabara de ser atendido e esbravejava com a demora do sistema de ambulância que o levaria de volta pra casa e, eu e outro rapaz que fizemos o procedimento burocrático inicial e aguardávamos o atendimento. Mesmo assim só consegui ser atendido mesmo às 01:40 (normal, pois dá porta pra dentro ninguém sabe o porque da demora e qualquer explicação é válida). De posse das informações preliminares dispostas no papel, o profissional médico e possivelmente também um aprendiz de Chico Xavier se armou da caneta e do papel timbrado da receita, colocou a mão na testa naquela posição típica de psicografia e me sentenciou com uma carimbada sem sequer olhar para a minha cara, que dirá examinar ao menos in loco a situação e prováveis evidências da queixa clínica que ali me levou para tomar o seu precioso e caríssimo tempo.

          Agradeci pela receita e voltei pra casa pensativo, pois, se era um horário tranquilo, sem ninguém para perturbar o plantão ou congestioná-lo – Que  tipo de medicina psicográfica é essa que as universidades estão formando atualmente seus alunos??? Segui pensando no tanto de barbaridades e descasos que essa nova medicina psicográfica deve causar num dia daqueles de plantão difícil, cheio de alcoolizados do Carnavotu ou mesmo numa dessas crises virais que diagnosticam atualmente de viroses disso e daquilo.

          Querem saber a melhor??? Fui na farmácia comprar o remédio receitado e o profissional da farmácia falou que aquela fórmula não era exatamente a mais eficaz do mercado para o problema citado. Ele me recomendou outro que custou menos da metade do preço. Como o nível de confiança no atendimento recebido pelo médico do UPA foi zero, acabei cedendo mesmo ao apelo financeiro do balconista da farmácia.

          Olhando aqui na receita o nome do profissional da medicina e psicógrafo no tédio do plantão, percebi que o sobrenome tem familiaridade com uma ilustre dinastia de médicos da região, reforçando ainda mais a teoria que tenho de que medicina no Brasil nunca foi dom e sim herança de família.

          Sem querer aqui interferir nem menosprezar o preparo do jovem médico, mas me amparando no discurso inicial da universidade permanente da vida, espero que ele leia esse texto e que transforme essa falha dele aqui apontada numa crítica construtiva que o conduza a nunca mais abusar assim da nossa paciência e do nosso dinheiro público, pois ele não está ali servindo voluntariamente. Se ele fosse um velho médico eu nem estaria aqui perdendo meu tempo com isso, pois burro velho não aprende marchar e já tá cheio de barda.

 

           Como de tudo na vida dá pra se tirar uma lição, deixarei aqui por considerações finais um dos ensinamentos valiosos da minha professora de sexo dos longínquos tempos da minha adolescência, uma profissional das melhores do ramo – Chupar xiririca é igual chupar manga, se você não gostar realmente é melhor nem começar, pois tem que começar e ir firme até o fim. Se ficar se incomodando com a lambança e ficar parando toda hora pra tirar fiapo dos dentes, nunca chegará ao caroço!!!



Escrito por LAMPARINA às 18h17
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 11h59
[] [envie esta mensagem
] []





RESSACA

 

          Infelizmente não terei tempo de fazer o release da sessão de ontem, mas foi uma sessão tranquila com pouquíssimas manifestações dignas de grifo. Festa e champanhe virtual aos vitoriosos no pleito de domingo e uma leve enxaqueca dos derrotados, tudo democraticamente manifestado alguns lances em tribuna pelas partes.

          A seguir passo à transcrição dos tópicos principais de um ofício enviado pelo presidente do Sindicato do Comércio de Votuporanga, presidido pelo Sr. João Herrera Martins, endereçado ao vereador André da TURA e demais edis.

          Acreditamos que a segurança pública em geral está deficiente e como sempre estamos ouvindo das autoridades que falta maior contingente para combater a criminalidade.

          Temos consciência de que o controle e fiscalização do trânsito é importante, mas na atual conjuntura acreditamos que o policiamento deveria concentrar seus esforços no combate à criminalidade, tráfico de drogas e segurança da população, atuações estas que estão deixando a desejar.

          Algumas considerações:

a)    Multar veículos por falta de cinto de segurança, em plena rua Amazonas (Tietê – Mato Grosso) onde a velocidade não ultrapassa 10 km/h (absurdo).

b)    Multar consumidores que estacionam seus veículos para compras rápidas (área azul) não utilizando qualquer critério mínimo de tolerância (absurdo).

c)     Multar veículos a meia noite (restaurantes, bares, pizzarias, etc.) com luz de 1º ponto, porque não estava usando luz baixa (absurdo).

          Nós sempre confiamos e apoiamos o trabalho do policiamento, mas temos que manifestar nosso descontentamento quando necessário.

          Somos empreendedores e buscamos o progresso dessa cidade e de sua população, englobando a flutuante (regional) e esperamos que eles levem ao retornar para casa uma boa imagem da nossa cidade e não uma MULTA como recordação.

 

PS 1: Tópicos muito interessantes e que o Blog do Lamparina sempre abordou com o devido apontamento de reflexões implícitas, já que estas medidas excessivas e sempre punitivas do Estado para com o cidadão em algumas áreas do trabalho policial ostensivo acabam colocando ainda mais em descrédito a confiança do trabalho policial aos olhos do cidadão, que se vê oprimido pelo Estado de todas as formas e sempre bolinando no seu bolso como represália, mas não vê e nem se sente amparado pela mesma vigilância  ostensiva quando a questão é a proteção do cidadão nas suas mais diversas prerrogativas constitucionais garantidas pela Magna Carta.

Resumindo: o Estado perdeu o foco da segurança pública nos sufocando com punições tarifadas por multas e não vê vantagem alguma em se fazer presente e dinâmico na sua principal atribuição, à segurança pública. Um dia essa passividade pública explodirá na forma de revolta e a polícia precisará ser protegida do cidadão pacato e cumpridor das leis, porém absolutamente cansado de ser molestado por todas essas incoerências!!!

PS 2: Parece que com a nova atribuição da PM na Atividade Delegada essa sensação de opressão do Estado está mais evidente e, a sensação de insegurança pública e descrédito caminha também no mesmo sentido. Deveria estar ocorrendo exatamente o contrário, o que é um fator que precisa ser melhor avaliado e melhor direcionado para que o cidadão se sinta protegido pelo Estado e não oprimnido por este!!! 

         

 

   



Escrito por LAMPARINA às 08h52
[] [envie esta mensagem
] []





45 TONS DE CINZA MINEIRO

 

          Confesso que temi pelo resultado dessa eleição.

          Com aquele Lula do povo muito longe da exaustiva presença onipresente de militante que nos acostumamos a ver nos últimos 24 anos, subido em tudo quanto é caixote e falando a língua do povo e para o povo ouvir, fiquei meio receoso dos rumos dessa campanha. Um Lula envelhecido e visivelmente com semblante cansado que não participou da caminhada em todos os lances, emitiam péssimas impressões.  

          A campanha foi demasiadamente exaustiva, não só pela truculência dos adversários no todos contra um, no caso, uma, mas pela forma com que o adversário principal do PT (o ANTI) foi manipulado para exalar o ódio e não exercer o democrático direito de uma simples questão de escolha de caminhos.

          Tivemos três projetos de governos mais nítidos. Um pregando um “novo”, impossível aos moldes dos caminhos constitucionais já traçados e, portanto, somente um engodo na novidade alvissareira. Outro, ressuscitando o que já foi amplamente repudiado pela maioria da população nas três vitórias anteriores do PT, nossa contrariedade à política entreguista e privatizante capitaneada pelo (neoxenófobo) FHC, que para satisfazer os interesses da comunidade banqueira mundial e dos grandões dos mercados, arrancou nosso sangue para pagar juros e estagnou o país por oito anos, além de colocar nossas empresas estatais na promoção do pague uma - com financiamento do BNDES e dinheiro podre -, e leve duas de brinde, determinando a precarização e a liquidação do Estado, que será nossa eterna herança maldita desse governo corrupto e antinacionalista. Por último tivemos a possibilidade de optar pela continuidade do governo do PT, que entre acertos e equívocos, não liquidou patrimônio público como se exposto em banca de feira e tem conseguido distribuir renda e melhorar a qualidade de vida das pessoas em todos os recônditos do país, vide nossa situação local, amplamente agraciada com recursos públicos vindos do governo federal, coisa que nunca aconteceu nessa amplitude.

          Eu não estava aqui no domicílio eleitoral ontem, pois saí de Cuiabá sábado já de tarde e foi impossível chegar para exercer meu direito democrático, mas todo mundo sabe que meu voto nesse segundo turno seria da Dilma. Como o Chico, eu votaria na Dilma pela Dilma, pela continuidade das mudanças que pude notar no Brasil todo durante esses 12 anos do governo do PT.

           Domingo de manhã eu estava em Alto Garças-MT e tomando café na lanchonete reparei o tanto de caminhonetes estampando o adesivo do Agora é Aécio 45. Bandeiras, carros de luxo e caminhonetes adesivadas apontavam a preferência nítida do lugar.

          Parei em Alto Araguaia para justificar meu voto e novamente notei o transitar de caminhonetes de luxo e carrões adesivados e tremulando bandeiras. Nenhum único fusquinha ou uno mil ao menos com um adesivinho daquela foto de terrorista da Dilma no DOI/CODI.

          A mesária da seção eleitoral em que justifiquei me disse que Aécio já estava eleito e que só estavam esperando a totalização para a festa de FORA DILMA. Coloquei-a em xeque com uma interrogação curta – Será???

          Retomei minha viagem e em Alto Taquari-MT, novamente vendo as caminhonetes embandeiradas e nada de Dilma, já estava até me conformando com a possibilidade de uma derrota por centímetros. No meio do caminho me lembrei das duas vezes por semana que ali naquele mesmo lugar eu passava nos anos de 1998 até 2002 e que éramos obrigados a deixar o asfalto da BR-364 e entrarmos pela estrada de terra percorrendo os 170 Km de chão que ligavam Chapadão do Sul-MS até Alto Araguaia-MT, pois o trecho de Perolândia-GO a Alto Araguaia-MT pela BR-364 ficou fechado e intransitável durante os 4 anos últimos de FHC. Me deu dor nas costas de lembrar o tanto de buraco, poeira e atoleiro que passei, das noites dormidas no assoalho todo embarreado a espera de trator das fazendas da região que arrastasse na lama, e da poeira que cobria tudo nos tempos de seca. Sem falar na quebra e danificação do equipamento, que também nos fazia perder dinheiro e tempo.

          O engraçado é que FHC dizia que não tinha dinheiro para arrumar este trecho e as dezenas de outros que ficaram paralisados por falta de conservação das rodovias federais em seu governo, mas Lula quando entrou, seu primeiro ato de governo foi refazer esse trecho da Perolândia e todos os demais que estavam paralisados, tendo o Brasil voltado a andar no asfalto. Tínhamos asfalto e não podíamos andar sobre ele, pois não tinha condições de trânsito.

           Depois desse mini pesadelo em forma de um flash back  das trevas, já no posto fiscal das 3 divisas, carimbei a nota e perguntei ao agente se já tinha resultado parcial das eleições. Este sorriu e me disse que já estava praticamente encerrada a apuração e Dilma tinha sido reeleita.

           Não sou petista, minha formação ideológica está muitos quilômetros a esquerda do que à política implantada pelo PT de ceder muito ao Capital para obter alguma coisa em troca, mas a minha sensação indescritível naquele momento foi de alivio, alívio por saber que o povo soube reconhecer os avanços e que novamente poderemos esperar por sua continuidade.

           O PT não venceu só o Aécio e a herança maldita do FHC (não só a precarização do Estado, mas o abandono total dos serviços públicos), o PT venceu um ranço reacionário que tentava ressurgir pela bandeira da mudança. O PT venceu picaretas e vendilhões fundamentalistas do templo que se escondem por detrás do manto sagrado de algumas religiões, com padres, pastores e assemelhados que não esconderam o ódio, o rancor e a vigarice planejada na tentativa de venda dos interesses do curral que  comandam e representam. E por fim - a melhor de todas as vitórias -, o PT venceu pela terceira vez consecutiva o PIG, o arcaico partido de oposição envergado pela grande imprensa, que aposta sempre todas as fichas e, sem nenhum critério e escrúpulo para alijar o PT do governo e colocar lá um tucano para que possam exercer o poder sincronista da blindagem, recebendo sua cota de participação nesse negócio.

           Como brasileiro que acompanhou tudo nesse país nos últimos 25 anos bem de perto, sem ouvir falar e sim estando lá aonde às coisas aconteceram - desde as catástrofes de Laje do Muriaé até a efetiva consolidação de grandes obras das hidroelétricas de Jirau e Santo Antônio em Rondônia -, tenho absoluta certeza que estamos caminhando e como sempre nos pregou a melhor de todas as definições sobre utopia do escritor e ativista Eduardo Galeano, elas nos servem para caminhar: http://www.youtube.com/watch?v=9iqi1oaKvzs . E, a vitória de ontem nos remete claramente nesse sentido, de que continuaremos dando pequenos e seguros passos em direção aos avanços.

          Aécio Neves certamente teve uma lição e agora terá tempo de desvendar os mistérios dos 45 Tons de Cinza Mineiro, aprendendo e podendo ensinar os conterrâneos a respeitarem uma mulher, coisa que ele não teve o cavalheirismo de fazer com a adversária de passado digno de, no mínimo, respeito, coisa que o dele não ostenta no histórico, já que quem comparasse os históricos não teria alternativa senão votar na Dilma.

          O que nos resta agora é cobrarmos sempre pelos efetivos avanços e que a oposição continue a cargo do PIG. Eles são muito bons de oposição, pois de situação, já deixaram claro que não sabem se esconder sem serem vistos, vide caso esdrúxulo da blindagem do governo tucano de SP no caso do Minha Água Minha Vida!!!

 

          



Escrito por LAMPARINA às 17h33
[] [envie esta mensagem
] []





FROTISTA DAS BRISAS

 

          Noite tranquila na Casa do Povo (sem o pesadelo golpista da reeleição pairando no ambiente), somente com alguns edis se dedicando à tribuna para não perderem a prática (alguns tentando ainda se adequar e se habituar a ela, pois mesmo que “a gente fomos” tantas vezes lá, ainda a gente “não conseguimos” obter o traquejo necessário das palavras).

          De mais importante, destaque para a militância tucana do nobre edil Douglas Lisboa, que destinou parte do seu tempo para falar bem do governo FHC (que pela sua idade, sequer deve lembrar-se com alguma exatidão dos feitos governamentais, pois quem se lembra, certamente prefere ter a mãe naquela casa de vida fácil a votar em algo que possa significar esta continuidade...) e pedir para que nossa população tenha consciência votando no herdeiro do FHC, o Aécio Neves. (na sua democrática gastança do tempo regimental, falou de tudo um pouco... Lógico que, o tudo que a grande mídia repete diuturnamente na tentativa de promover um transe hipnótico grupal e eleger o candidato neoliberal da sua preferência novamente. O nobre Douglas fechou um pacotão de bestialidades midiáticas que foi desde o governo sério e incorruptível do FHC, até a fala em que os tucanos reclamam pela assinatura no registro de paternidade do Bolsa Família. Sim, eles dizem que é coisa de vagabundo, mas querem sempre o reconhecimento como os pais da vagabundagem. Não deixou faltar também o apontamento do governo mais corrupto do mundo, o do PT é claro, pois o corruptômetro tucano é igual moeda de cigano, tendo os dois lados iguais; e da estatal do petróleo usada como queijo, esta que em 1998 o FHC e o ex-genro sopa de letrinhas dele pretenderam vender por 50 bilhões de dólares, mas hoje só a capacidade de extração do pré-sal é de 7 a 10 trilhões de dólares. Seria um bom questionamento perguntar ao nobre edil quem seria privilegiado com este pequeno ganho de produção se a nossa maior empresa tivesse sido passada nos cobres lá em 98 pelo FHC, como fez com as demais privatizadas , que ao invés de diminuir o déficit público com o livramento das paquidérmicas estatais presenteadas, triplicou-o)

          Entre outros que ocuparam a tribuna antes, destaque para o nobre Jura, que nos informou da sua ação em mobilizar a administração municipal para que se faça cumprir as normas contratadas nas obras de infraestrutura do loteamento Vila Filomena (aquele aonde era o Clube do Facchini), que em razão de terem apresentado problemas na estrutura dentro do prazo mínimo de garantia da obra (5 anos), terão que ser refeitas para que se preserve a administração pública dos prejuízos decorrentes da má qualidade desse serviço contratado pelo empreendedor. Depois o nobre Jura passou a defesa democrática do governo do seu partido e à contestação dos argumentos usados pelo nobre colega Douglas Lisboa no ataque desferido anteriormente. O Jura falou da qualidade Republicana dos governos do PT e se aprofundou na defesa da hoste, só esquecendo-se de esclarecer os poucos presentes que o Bolsa Escola, o principal programa social do governo FHC atendia 5 milhões de pessoas, tendo sido este unificado aos demais programas e dado origem ao Bolsa Família (agora sob a batuta petista, apelidado de passaporte da preguiça), que atualmente atende 50 milhões de brasileiros ( ¼ da população, tudo vagabundo que não quer virar óleo para lubrificar a máquina que depois os tucanos servirão em doação aos grandes especuladores do mundo). Certamente o PT não pode negar que esse óvulo foi fecundado em parceria, mesmo que seja igual aquela parceria de cunhado bêbado que vai te ajudar a empurrar carro sem partida, e você lá estufando os olhos de tanto fazer força, quando olha pro lado o “parente” tá só fingindo que faz força.

          O Clima também esteve apimentado com a discussão entre os nobres Pedro Beneduzzi e Meidão, por conta de um comentário sobre a suposta inconstitucionalidade de um projeto pretendido pelo colega Pedro, que segundo ele disse, já teria parecer favorável ao projeto por duas consultorias jurídicas, mas o nobre colega Meidão disse que já consultou a matéria (com o expert dos experts...) e que se o projeto prosperar apelará legalmente por sua inconstitucionalidade. (acredito que um representante público não deva perder o seu tempo e o nosso dinheiro com um projeto que possa criar dubiedade jurídica da sua constitucionalidade. Melhor o Pedro tirar o mosquitão da gaveta e trazer consigo, pois já caiu umas chuvinhas e logo a dengue vem com tudo novamente. Longe de mim querer dizer com isso que esta é a especialidade do nobre edil...)

          Com um pedido de vistas, o único projeto da noite foi remetido para a apreciação no tempo regimental, na segunda sessão subsequente.

           Destaque também para a presença do Pe. Márcio Tadeu, que tem exemplarmente assumido o posto de cidadão nas cadeiras da Casa, já que aquele episódio em que alguns edis excomungaram a presença dos padres - naquela sessão vergonhosa da tentativa de eternização na condução da Mesa Diretora -, acabou pegando muito mal para os nobres edis. Gentilmente o Pe. Márcio tem dado a chance aos pecadores para que se redimam do pecado anterior.  Alguns têm se mostrado bastante arrependidos.

 

          Nas considerações finais, pouca coisa há se considerar numa noite absolutamente tranquila, além da inexperiente militância tucana do Douglas - do achômetro e do ouvi dizer -, versos a experiência militante sênior do Jura, de pioneiro e fundador do PT local e nacional. Acho até que devido a esta imensa disparidade do combate, o Douglas deve ser um desses tucanos encruados que tem aqui na cidade, que ficam falando mal do Lula e da Dilma para fazer tipo, mas lembrando do cheiro de gasolina e do aperto do fusquinha que possuíam nos tempos do governo FHC em comparação com a Hilux atual, com ar condicionado, câmbio e piloto automático; na solidão e silêncio da urna acabam mesmo é apertando o 13.  Ou, vai ver o Douglas gosta mesmo de sofrer, pois ele até tem uma frota de fuscas!!!



Escrito por LAMPARINA às 01h29
[] [envie esta mensagem
] []





GRACILIANO DE PINDA

 

          Quem assistiu a reportagem do Fantástico de 03/08 (confira novamente aqui: http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/08/moradores-do-estado-de-sp-mudam-rotina-e-sofrem-com-falta-dagua.html )  e assistiu a desta noite deve ter percebido a diferença de como se dar a mesma notícia de duas formas diferentes.

          No dia 03, com eleição na porta, o programa buscou provar que o MPF de SP não tinha motivo algum para obrigar o então governador Geraldo Alckmin a decretar racionamento de água em SP, já que a situação precisava parecer sob controle, tanto do governador como da SABESP.

         No desta noite a verdade se revela como uma mágica e depois de até a TV Árabe Al Jazeera noticiar que em Itu tem bairros com 12 dias sem chegar água nas torneiras. Neste Fantástico de domingo parece que a informação nos chegou pela programação da nossa principal tevê pública com ares de novidade: http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/10/flagrantes-mostram-sofrimento-dos-moradores-com-seca-que-atinge-sp.html .

          Agora a Rede Globo já pode falar da crise de abastecimento d’ água, pois já reelegeu o Graciliano Ramos de Pinda para mais 4 anos.

          Como poderemos confiar numa tevê pública que se vale da concessão pública para blindar candidatos da sua franca preferência???

          E, estamos aí com o segundo turno das eleições presidenciais, com a mesma Globo trabalhando francamente na blindagem da campanha de outro tucano. Imaginem se eles novamente ganharem e já acostumados com a blindagem parceira dos midiáticos sócios em governo???

          Novamente voltaremos aos tempos em que nada se torna público e quando alguma coisa sorrateiramente escorre ao controle, táticas de mídia tornam o assunto desgastado e sem importância, enquanto eles carregam os nossos recursos públicos pelas portas dos fundos do poder.

          Outra vez, e novamente de posse desse embasamento claro, apelo para o bom senso das pessoas lúcidas e esclarecidas, para que pensem no que lhes seja mais transparente, um governo que é esmiuçado diuturnamente por uma mídia nitidamente contrária e adversária, ou um governo em que esta mídia está encarregada de compor blindagem midiática.

 

          Eu prefiro o governo que tenha a mídia como adversária!!! 



Escrito por LAMPARINA às 23h51
[] [envie esta mensagem
] []





A QUEM SERVE À MIDIOTIZAÇÃO???

 

 

          Estamos assistindo passivamente a pior campanha política de todos os tempos no Brasil, pois a intenção única dos que tentam apear de todas as formas o PT do governo é conturbar e confundir o eleitor mais humilde e desconhecedor dos fatos que já estão devidamente anotados na história.

          A campanha do Collor em 89 se baseou no descontrole econômico advindo de várias tentativas e planos fracassados de conter a inflação no governo Sarney. Também foi determinante uma reportagem com um grande escândalo, que nem era na verdade um escândalo, mais sim um projeto de produção agrícola que não previu adequadamente sua grandeza, tendo a campanha do Collor tratado de anunciar isso politicamente com viés escandaloso.

          Quem se lembra desses tempos deve se lembrar do Collor nas dependências da Cooperformoso, do Projeto de Irrigação do Formoso do Araguaia-TO, naquele recém-criado estado do Tocantins, babando e gritando horrores (daquele minha gente de punhos trancados que ele gostava tanto...) sobre pilhas e mais pilhas de arroz se perdendo no tempo sem ter onde estocá-las, ainda repetindo também aos berros – Enquanto o povo passa fome, milhares de toneladas de arroz estragam aqui no sol e na chuva!!!

          Eu estava lá, não nesse dia, mais em muitos outros, pois nessa época trabalhei na safra do Projeto Formoso e transportávamos arroz dali que abastecia os estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Dali não saia um grão ao menos que viesse em direção ao Sudeste, pois o arroz ali cultivado era de qualidade inferior e o consumidor do Sudeste já estava acostumado a consumir o arroz agulhinha tipo 1 dos Tio do Sul, que na verdade não é do Sul e sim 90% importado do Uruguai, somente batido ao pouco do que sobrou da produção gaúcha e catarinense, e empacotado com a marca dos Tios, que dependendo do Tio, pode valer de 4 a 5 reais por pacote de 5 kg, mais do que outro Tio, mesmo sendo os dois do mesmo tipo e da mesma fonte, à produção subsidiada do Uruguai.

          Mas, voltando ao projeto Formoso, era uma cooperativa de produtores que foi financiada com dinheiro público e que não conseguiu prever corretamente sua real capacidade de produção, por isso, com uma supersafra naquele ano de 1989, não tendo capacidade de estocagem na região, pilhas e mais pilhas de arroz foram estocadas no tempo e cobertas de lona preta, tendo parte desta superprodução se perdido em meio aos ventos de Julho e Agosto, no descobrir das lonas. Isso em ano eleitoral, foi como jogar um boi sangrando no Araguaia.

          Para quem não conheceu o projeto, foi algo fabuloso e revolucionário. Eu fui muitas vezes lá, ora para levar fertilizante, ora para carregar arroz e era algo muito grandioso para a época. Potentes motores alagavam os quadros de produção e o plantio era feito por aeronaves, pois era impossível o plantio na terra alagada. Quando o arroz estava em tempo de colheita, o alagamento dos quadros era cessado e entravam as colheitadeiras de esteira para o trabalho final, isso lá em 89 era algo bastante revolucionário na produção em grande escala, pois esse modelo de produção em alagamento já era muito utilizado nos banhados naturais do sul, mas não nessa escala de produção em áreas tão grandes e em produção contínua o ano todo, quando um quadro estava sendo colhido, imediatamente a saída das máquinas, ele já era preparado para novo alagamento e novo plantio.

          O Collor também se valeu de uma vergonha da região, pois a BR 153 nessa época encontrava-se intransitável entre os trechos de Porangatu-GO até Gurupi-TO, com o trecho mais crítico entre Alvorada-TO e Gurupi-TO.

          O Collor foi lá de microfone em punho e mostrou cada buraco desses 200 Km de Porangatu até Gurupi e ainda promoveu o sensacionalismo de um projeto importante de produção que subestimou sua capacidade de produção e logística.

          Depois desses dois escândalos dramatizados no limite artístico do competente ator Fernando Collor de Melo, foi só a Globo editar o último debate com as denúncias sobre a filha bastarda do Lula, e o Collor seria eleito nosso presidente pé quente pelo voto da tradicional família brasileira, diria o Levy.

          Com essa histórica real e sem nenhuma vírgula de ficção, quero chamar a atenção para essa nossa atual campanha, pois ela não trouxe absolutamente nada de novo, nem sequer um escândalo programado, desses que acabei de citar. É só o sujo falando do mal lavado. É impressionante como o brasileiro é um midiotizado (idiotizado pela mídia), pois alguém que tem passado efetivamente irrefutável poderia falar em combater a corrupção, mas o PSDB não pode, pois é a sigla mais corrupta do país.

          A campanha desse ano planeja somente mobilizar a geração que nada viu e nada conhece - que compartilha boçalidades como se fatos fossem, que sequer se dão ao trabalho de conferir se aquela trollagem massificante tem algum fundo de verdade mínimo -, tudo no sentido incitá-los ao ódio contra o PT, pois somente via canalização de um ódio sem sentido é que os inimigos do Brasil voltarão ao poder via idiotização dos incapazes. Não são incapazes no sentido de não ter capacidade, são incapazes no sentido de não procurar a verdade dos fatos e servirem aos interesses massificadores, tudo honrado pelo sacro direito de liberdade de expressão. Eu até li uma boçalidade tão grande e sem sentido na página de um local que começa assim – “Eu tenho direito garantido de falar o que bem quiser...” e despejou todo seu espasmo intelectual como se no banheiro estivesse. Esqueceu-se somente de embasar a montanha de m... em algum, um único que seja, contexto histórico que lhe assegure o tal direito auto-evocado do início.

          O bom debate e a busca pelo pacto com os eleitores entre os candidatos se perdeu. Da mesma forma que o debate popular dos prós e contras virou um mar de idiotices e ofensas mútuas. Eu tenho visitado páginas e mais páginas na internet, vendo montagens grotescas com falas impossíveis. Dificilmente vejo debates movidos pelo respeito e pelas ideias de pró e contra, civilidade que deveria existir entre os cidadãos de bem, que, qualquer que seja a sua opinião, deveria respeitar a do seu próximo em primeiro lugar, dando-lhe o privilégio do bom combate, saudável e democrático.

          Que pena que caminhamos no sentido contrário ao da DEMOCRACIA!!!

 

              



Escrito por LAMPARINA às 13h50
[] [envie esta mensagem
] []





AGORA É SÉRIO

 

          Vamos lá então...

          Recomeçou tudo de novo, e agora sem máscaras... Sem esse negócio de “novo” que nunca convenceu ninguém, além dos inocentes que não conhecem nada de história do Brasil e muito menos de política.

          O novo se mostrou tão velho que nem às essências mais requintadas da Amazônia sustentável da Natura conseguiram esparramar o cheiro ruim que vinha do jatinho fantasma que matou o Dudu, e do caixa..., digamos alternativo (pois se falar que o Dudu, Marina e PSB fizeram caixa 2, terão que ir tudo lá pra junto com o Zé Dirceu, Genoíno e escumalha petista, menos o Dudu é claro...) que o Dudu tinha feito para suas pretensões eleitorais.

          Agora, sem o papo do novo, nos atemos realmente ao que sempre esteve em disputa, à polaridade entre os governos exercidos pelo PSDB de FHC e o PT do Lula, sob a atual condução da disputa a cargo de Aécio e Dilma.

          Por todos os escândalos de corrupção que vimos acontecer no governo FHC e, foram tantos e envolvendo tantos bilhões que nunca foram devolvidos aos cofres públicos, sequer foram investigados pelas instituições, pois a mídia parcial ao invés de cobrar (como fez no governo Lula/Dilma) blindava, como ainda faz no governo tucano de SP; pelo histórico criminoso das privatizações e pela inércia governamental que não permitiu avanços ao Brasil, só dirigindo a economia de acordo com as regras ditadas pelos nossos credores, entre eles a mão pesada de padrinho malvado FMI (e sabemos que cão que dois donos tratam é certeza de morrer de fome) que belisca o apadrinhado quando ninguém está olhando; é por todos esses fatos históricos e do conhecimento dos que acompanham atentamente a vida política e administrativa  do país que, se é por optar pela permanência de um dos dois velhos modelos que já conhecemos, prefiro o modelo apresentado por Lula e Dilma, pois produziu avanços inegáveis.

          Eu não quero para o meu povo um governo que, para satisfazer as necessidades de muitos lucros do Mercado e dos banqueiros (eles estão sorrindo de orelha a orelha esperando a volta da mão amiga da economia ditada pelo Armínio nauFraga, aquele que diz que o salário mínimo subiu muito...) mata sua gente de fome; para distribuir dividendos aos acionistas da Petrobras (que segundo FHC já afirmou, não é contra sua privatização) sobe os preços dos combustíveis todo mês e impede à circulação de riquezas num país continental que não possui ligação ferroviária a altura da sua grandeza; eu não quero na direção do meu país um governo que precisa ser blindado pela grande mídia que lhe é francamente favorável e nunca escondeu isso.

          Corrupção sempre existiu e sempre existirá, portanto, prefiro o governo que está sempre sob vigilância ao que esteve sempre blindado.

 

          Portanto, se é para escolher um dos velhos modelos, eu voto Dilma 13!!!



Escrito por LAMPARINA às 10h22
[] [envie esta mensagem
] []





HUMOR CAIPIRA DA TERRA



Escrito por LAMPARINA às 16h16
[] [envie esta mensagem
] []





TROFÉU TURISTA LEGISLATIVO DAS BRISAS

 

          Depois do sempre retumbante sucesso que foi se tornando o prêmio mais disputado da edilidade local, o “TROFÉU FERRADURA DE OURO”, editado anualmente pelo Blog do Lamparina para premiar democraticamente o melhor trabalho legislativo do ano, premiação maravilhosa, que em sua última edição foi papada com muito mérito pelo nobre edil ANDRÉ DA TURA, agora o Blog do lamparina também lança o prêmio “TURISTA LEGISLATIVO DAS BRISAS”, prêmio este que será entregue ao nobre vereador que mais despesas de viagens acumular no período.

          O Blog do Lamparina fechou as contas de 2013 e 2014 até os últimos lançamentos contábeis disponibilizados pelo transparência da Câmara, e se o prêmio já estivesse valendo teríamos o seguinte resultado disposto no quadro abaixo.

          Como o nobre edil vencedor acumulou muitas milhas legislativas turísticas nos representando em incansáveis viagens oficiais e, estando certo de que deve ter sobrado um quarqué da apresentação dos gastos dessas viagens, o Blog pedirá gentilmente ao ganhador que reverta parte dessas sobras de viagens para que possamos adquirir à premiação do evento.

           Evento sem premiação é igual jogar baralho e sinuca sem valer uns tostões, não tem a menor graça!!!

 

PS1: Apenas alertando aos demais participantes do concurso, gostaria de chamar a atenção para o fato de que, se a premiação já estivesse valendo, o nobre Edil Edilson do Santa Cruz teria papado o prêmio duas vezes, haja vista que teria sido o campeão de 2013 e também o de 2014. Vamos lá pessoal... Ainda dá tempo de uma reação. Se empenhem mais e peçam novos empenhos na boca do caixa!!!

 

PS2: No site transparência não tem valores lançados na conta do nobre edil Osmair Ferrari. Gostaria da confirmação oficial desta informação antes de tecer qualquer tipo de comentário, mas se esta realidade for confirmada, saiba o nobre edil Osmair, que Vossa Excelência será eleito o “mala vazia” (para que eu não seja molestado judicialmente pelo quadro do Fantástico do irmão do Oscar) do concurso, pois sequer teve capacidade de gastar um trocadinho do povo numa andança justificada qualquer. Envergonhe-se disso e será punido com uma penitência. Ajoelhe-se em 2 tampinhas que Vossa Excelência deve ter guardado daquela tubaína caipira homônima (eu gostava de maçã) e reze para São Cristóvão, o santo dos viajantes!!!

 

 



Escrito por LAMPARINA às 16h12
[] [envie esta mensagem
] []





CANDANGOLÂNDIA DAS BRISAS

07/10/2014 

CANDANGOLÂNDIA DAS BRISAS

 

          Numa noite em que a síntese dos pronunciamentos declinados pelos senhores edis foi rotear profunda tristeza pela reprovação do nosso deputado João Dado nas urnas, o lamento quase choroso se iniciou com o nobre edil Meidão e percorreu quase todos os que ocuparam a tribuna, sendo que alguns até passaram do ponto ao eleger a atual legislação eleitoral e até mesmo o coitadinho do Palhaço Tiririca como o carrasco do grande, do preparado, do culto, do magnânimo e um dos mais bem conceituados parlamentares do Brasil. Senti correr uma lágrima no cantinho dos olhos do nobre Meidão ao destacar os muitos feitos do Dado na cidade, terminando seu pronunciamento com uma frase emblemática e que certamente o conservador Levy, estando a cargo da censura, não aprovaria se dita no seio da “tradicional família brasileira”, pois o Meidão elogiou muito à penetração (sempre é bom lembrar que dois iguais não procriam...) do Dado (talvez querendo enaltecer sua influência) nos meios políticos e administrativos da capital federal. O Eduardo Jorge certamente diria um - Eu quero!!!

         O nobre Douglas Lisboa também descabelou o palhaço Tiririca pelos novecentos e tantos votos obtidos junto à plateia generosa da terra dos ventos, sendo que possivelmente o abestado nem saiba onde fica este rincão perdido (onde o vento faz a curva e reboja todos os malandros no cantuá das brisas), mas também pediu providencias ao Executivo para colocar película escura protetora nos vidros do Poupa Tempo, que segundo o nobre edil, o sol estaria cozinhando os funcionários. (bom, como já estamos acostumados com os projetos milionários contratados pela prefeitura e, depois o Marcelino Poli e a equipe dele tem que correr no lugar com o maço de pregos e uma lata de cal pra dar o acabamento à brocha, amanhã já tem serviço garantido na Secretaria da Cidade, mas ao invés do cal, melhor levarem uma lata de tinta preta e dá uma demão que fica quase igual película e bem mais barato – Áhhhhh, fácil e barato assim não tem graça!!!)

         O nobre André da TURA, talvez o filho mais órfão do mandato do deputado Dado, também lamentou muito a perda e por certo deve ter chorado em casa, pois trazia os olhos ainda marejados pela dor, porém canalizando o rancor pelo desmame abreviado das boas tetas da República, tratou logo de produzir algum faturamento na noite dizendo não entender a condução da Secretaria de Educação, onde segundo ele nos informou uma mãe peregrina há 2 meses na repartição solicitando vaga em creche, sem ter sido a demanda atendida. Reclamou muito também dos uniformes que ainda não foram distribuídos numa escola da rede municipal, sendo que o ano letivo já está por terminar. Encerrou sua fala repudiando uma declaração da assessoria municipal na mídia, sobre os apontamentos feitos por ele na semana passada (aquele dos brinquedos de madeira que estão em péssimas condições e a praça ainda nem foi inaugurada), colocando em risco a segurança das crianças. Na declaração da assessoria, o brinquedo teria sido supostamente danificado por vândalos. O nobre André, visivelmente indignado, convocou os responsáveis para que tomem conhecimento do problema estrutural do material utilizado e notifiquem a empresa  para ir lá arrumar aquela porcaria.

         O nobre Eliézer Casali também externou seus lamentos pela tragédia federal que se abateu sobre nós, criticou o sistema eleitoral e atribuiu a este o fracasso do filho da terra na candangolândia das brisas (nosso endereço oficial na boa terra das verbas públicas federais). Depois andou distribuindo especulações depreciativas sobre a conduta parlamentar do segundo membro mais votado do parlamento nacional (espero que o Tiririca não seja eleito presidente da Câmara e tente fazer uma manobra qualquer para se perpetuar no poder... Acho que o nível do seu palhacismo não chegaria a tanto, chegaria?!?!?!). Passou ainda recado ao povo inquieto com as nossas ruas esburacadas nos quatro cantos da cidade, que aquele financiamento de 8 milhões que a Casa deu alvará pra prefeitura executar obras de recape já está na bica de começar a primeira etapa.

          O nobre Jura veio depois e ressuscitou o debate sobre emenda que possibilitará à reeleição na Casa, dizendo que a sangria moral continua aberta enquanto o nobre presidente não colocar o projeto em votação, ou retirá-lo de vez. Disse que existem burburinhos sobre possíveis tentativas de articulação na busca de apoios para aprovar matéria, sendo que ele está buscando entre os pares as 10 assinaturas necessárias para que o projeto seja votado na próxima sessão e, que já conta com 7. Depois sugeriu ao colega Edilson do Santa Cruz que retirasse o projeto que seria votado na noite (o da proibição dos postos de lavarem carros nas bombas de abastecimento), para que seja feito um estudo mais amplo e abrangente deste projeto, o que causou depois um certo clima pesado na Casa, já que o nobre colega defendeu com afinco o seu projeto no exato modelo como foi apresentado.

          O nobre Osvaldo, entre outras coisas, nos informou de nova paralisação em protesto pela situação caótica da estrada do 27. (recebeu dos nobres pares muitas parabenizações pela disputa honrosa por uma cadeira na ALESP, sendo que, algumas soaram como verdadeiro consolo e outras, nitidamente como um – Vaaaaaai trouxa...Tá achando que tem peito de aço pra trombar de frente contra a grande montanha dos ventos???  O certo é que o Osvaldo Carvalho nos encheu de orgulho por ainda termos alguns poucos políticos que acreditam no poder do convencimento e das ideias, não se fiando na criminosa e hoje comum prática eleitoral baseada na intimidação do poder econômico. Errado é quem, motivado por favorecimentos irrisórios, medíocres e efêmeros, se valeu do nosso direito democrático para eleger um ficha pau de galinheiro para nos representar. Mas, cada povo tem o governante que merece, e pelo jeito temos merecido o que há de pior no ramo)

          No projeto mais importante da noite, o do nobre edil Edilson que trata da proibição dos postos em lavar veículos na bomba, depois de ampla defesa do nobre edil sobre sua “criança”, foi à apreciação dos pares e deu empate em 7 a 7, tendo o presidente Eliézer que externar seu voto de minerva pela aprovação do projeto (alguns presentes murmuraram que não poderia ser de outro jeito, já que o nobre Edilson é um dos 5 escolhidos que assinaram em favor da tal emenda da perpetuação). Destaque para a explicação de voto do Meidão, que entre outras coisas, se valeu da sua experiência juvenil de ex-frentista (lá no tempo em que Noé encostava no posto do Onofre de Paula para abastecer a arca e aproveitava para dar um trato na máquina...) para dizer que aqueles trocadinhos que os frentistas ganham como caixinhas na lavação de carros é muito importante e isso será perdido. Justificou também que o cliente do posto perderá o benefício de lavar o carro na bomba como cortesia do posto, mas lá no lavador continuará sendo cobrado os R$ 10,00 pela passadinha de água.  

          Nas considerações finais da noite, gostaria de clinicar nos sintomas antidemocráticos apresentados pelos senhores edis na noite, elencando a vitória do Tiririca e do Russomanno como a catástrofe que determinou o fracasso eleitoral do nosso conterrâneo João Dado. Isso dito por um cidadão comum em descrédito e desabafo, já é um sintoma que desperta certos cuidados no monitoramento da doença, mas, dito por vários membros do nosso Poder Legislativo, aí o caso se agrava, pois adquire ares de epidemia. A democracia não se flexibiliza ao que nós acreditamos intimamente poder moldá-la. Ela é uma peça acabada, que pode sim sofrer muitas transformações no decorrer do percurso, desde que também seguindo o modelo democrático regrado para a reforma. Ou seja, a democracia não deixa de ser democracia porque nossos desejos individuais ou coletivos de um grupo porventura não se sentem momentaneamente amparados pelos seus ditames.

          Ficamos lá assistindo o revezar dos nobres edis e o queixume pela vitória democrática absolutamente límpida do palhaço Tiririca e do advogado do consumidor Celso Russomanno (que até nem conseguiu obter a meta prevista pelos caciques do PRB, que era de 2 milhões de votos). Não ouvi nenhum dos senhores edis tendo coragem para ir ao púlpito e reclamar da vergonhosa campanha que tivemos na cidade, onde um candidato FICHA SUJA se valeu da opressão do poder econômico aos olhos de todos para praticar campanha massacrante. Também não ouvi nenhum edil em tribuna reclamando do vergonhoso episódio dos 102 mil encontrados pelo raio x da PF em Congonhas, em poder de um cidadão, que passeava com a graninha numa mala e foi incumbido de entregar alguns cheques de campanha ao pelego do deputado estadual Bruno Covas (PSDB) na região de Rio Preto. E para terminar minha ilação sobre este nosso lastro democrático individual avantajado, não vi e nem ouvi ninguém ir para a tribuna na noite para lamentar a nossa grande perda no senado federal, pois perdemos um senador de vida pública irretocável (mesmo que já beirando a senilidade e vestindo a cueca por cima da calça), Eduardo Suplicy, e ganhamos um presente de grego lamentável, com passado político sombrio e sinistro, que pesa contra si inúmeras passagens dignas de vergonha ao povo paulista. Só algumas: Vasta literatura sobre suas negociatas com amigos e parentes no vergonhoso episódio do que ficou mundialmente conhecido como “Privataria Tucana”; participação vergonhosa na montagem de um engodo midiático para provocar reviravolta eleitoral em 2010, que ficou publicamente conhecido como “bolinhagate”, àquela trapaça protagonizada pela bolinha de papel que teria causado traumatismo craniano (segundo os especialistas contratados pela Globo para analisar as imagens) em sua reluzente careca; indução ao ódio religioso também na campanha de 2010 se valendo de discurso hipócrita sobre aborto, sendo que depois seria desmascarado por uma gravação onde sua esposa conta em sala de aula que teria feito um aborto sob a tensão do momento difícil da família no autoexílio no Chile.

          No resumo da ópera, Votuporanga perdeu seu captador máximo em Brasília (fato realmente lamentável, porém democrático), tendo sido um palhaço reeleito com mais de milhão de votos para nos representar lá (quer mais democracia do que isso???) e outro foi eleito para nos representar no Senado. A diferença é que o palhaço Tiririca não tem contra si um histórico de negociatas e práticas políticas que nos lesaram em milhões. O palhaço Tiririca é só mais um no meio de muitos lá em Brasília. O palhaço Serra é o palhaço perigoso, pois este é um palhação de mãos leves.

          Então caros concidadãos, ou nos embasamos na democracia como sendo o direito legítimo representado pelos que se submeteram ao conjunto pré-estabelecido de regras, ou ficaremos cada um evocando o direito democrático e alargando seus lastros e suas fronteiras ao nosso bel prazer!!!

 



Escrito por LAMPARINA às 10h02
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]